A suspensão da nomeação da primeira dama de Minas Gerais, Carolina Oliveira Pimentel, para o cargo de secretária de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social, foi mantida pela Justiça. A desembargadora Hilda Teixeira da Costa, da 2ª Câmara Cível e o governo de Minas Gerais já confirmaram que, agora, a mulher de Fernando Pimentel será exonerada do cargo.

Cabe recurso da decisão, mas o Executivo de Minas informou que a mulher de Fernando Pimentel resolveu, pelo menos por enquanto, voltar a dedicar-se exclusivamente ao SERVAS - Serviço Voluntário de Assistência Social e, desta forma, impedir que surjam novas polêmicas que estão sendo criadas pela oposição.

Publicidade
Publicidade

Agora, é Rosilene Cristina Rocha que está na Secretaria e, já nesta terça-feira (17), será publicada a exoneração de Carolina. Tanto a primeira dama como também o governador de Minas Gerais estão sendo investigados pela Operação Acrônimo, acusados de envolvimento em um esquema de lavagem de dinheiro em supostas irregularidades em campanhas eleitorais.

No dia 28 de abril, Fernando Pimentel nomeou a esposa para ocupar o cargo deixado por André Quintão, do Partido dos Trabalhadores. De acordo com a nota divulgada, Carolina Pimentel ocuparia o cargo na presidência do Servas, onde iria trabalhar sem remuneração, e o governo avisou que esta troca já estava programada.

Quem entrou com a ação protocolada foram os deputados Felipe Attiê (PTB), Luiz Humberto Carneiro (PSDB), Bonifácio Mourão (PSDB) e também o deputado Tito Torres (PSDB) que acusam o governo de Minas Gerais de nomear a mulher somente para garantir maior proteção a ela, mantendo-a livre da Operação Acrônimo.

Publicidade

O juiz que suspendeu a nomeação de Carolina Pimentel foi Michel Curi e Silva, alegando que tomou esta decisão porque ela é a pessoa mais próxima e íntima do governador e a isto junta-se o fato de que a primeira dama está sendo investigada pela #Polícia Federal.

O governo de Minas Gerais já recorreu desta decisão e Fernando Pimentel espera que sua esposa possa ser mantida no cargo. #Corrupção #Crise no Brasil