O pastor Malafaia se encontrou após #Michel Temer discursar na sua posse, para fazer uma oração "para Deus abençoar o Brasil e seu Governo", escreveu Malafaia em seu Twitter, o pastor é criticado por ser contra os direitos LGBT. Depois do resultado no Senado, Malafaia já havia postado comentários a respeito da votação dizendo que a maior derrota da história seria do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Malafaia já havia procurado Temer no Palácio do Jaburu para abençoá-lo. 

Malafaia comentou sobre o novo Ministro da Educação, dizendo que ele sim é capaz de "varrer a ideologia dos esquerdopatas" e que o governo de Temer começou muito bem.

Publicidade
Publicidade

Novo ministro

O novo Ministro da Educação, Mendonça Filho, do governo de Michel Temer, anunciou a nova secretária-executiva da pasta, Maria Helena Guimarães de Castro que já auxiliou governos como de José Serra e Geraldo Alckmin e durante o antigo governo de Fernando Henrique Cardoso ela foi a número dois do MEC (Ministério da Educação), quando o ex-ministro Paulo Renato atuava. 

Mendonça Filho discusou explicando que os programas do governo de Dilma Rousseff que ele chamou de "programas importantes" como o ProUni, Enem e Pronatec continuarão instalados e seguirão em continuidade. Mendonça utilizou da expressão "caça às bruxas" para dizer que esse ambiente negativo não será instalado, afirmando que respeita a presidente #Dilma Rousseff, mesmo ele sendo a favor do afastamento e que o país está em uma difícil fase.

Publicidade

Durante seu discurso, houve gritos de manifestantes que estavam no auditório atacando Mendonça com nomes de "comunista", "golpista" e "ministro ilegítimo", Mendonça discursou rapidamente e falou sobre "respeito às divergências". Os protestos que ocorreram no auditório provavelmente vieram de sindicalistas, acreditam servidores. Mendonça filho enfatizou em seu discurso que os interesses da população devem vir acima de qualquer interesse pessoal de partidários. Mendonça foi responsável pela emenda da Constituição em que reelegeu o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.   #Senado Federal