Um #Crime bizarro aconteceu com uma criança de apenas 7 anos, cometido pela própria mãe.

A mãe e outra parceira, que é pastora chamada de Jacivã Pereira dos Santos, conhecida como Jaci, alegaram, ao serem presas, que a criança estava possuída pelo demônio.

Por conta disso, as duas mantiveram a criança presa dentro de um quarto fechado, sem colchão, e no escuro. Segundo o relato da polícia, que invadiu o local depois de uma denúncia, a criança estava tão debilitada que mal conseguia ficar em pé.

As duas foram presas depois que a polícia recebeu uma denúncia do conselho tutelar da região.

A mãe, que tem 45 anos, disse que trancou a criança por orientação da pastora, que dizia que a mesma estava sendo possuída pelo diabo.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a PM, a criança já estava sendo mantida assim por dois meses. Cheia de hematomas no rosto e no corpo, a criança apresentava um quadro terrível de desnutrição devido à má alimentação e os maus-tratos que sofreu em cativeiro.

Segundo informações, a criança seria sacrificada. Esse não é o único caso envolvendo maus tratos que foi relatado por causa das influências da pastora. Uma testemunha relatou que um de seus parentes abandonou o filho de apenas 6 meses por influência dela, que dizia que a criança era um demônio. Segundo a testemunha, a familiar é uma empresária, instruída, e mesmo assim caiu na conversa da falsa pastora. Largou tudo e todos por acreditar que estavam possuídos. O crime aconteceu no Distrito Federal, na cidade de Ceilândia.

Vários outros relatos apareceram depois que o caso da criança de 7 anos foi exposto na mídia, segundo o conselho tutelar.

Em um vídeo divulgado pelo portal Metrópoles a pastora fala sobre as crianças estarem sendo possuídas pelo demônio, confira abaixo:

Em um outro vídeo chocante, a própria criança relata os momentos que viveu no cativeiro:

As duas foram levadas à 23ª Delegacia de Polícia e depois transferidas para o Presídio Feminino do DF.

Publicidade

Elas irão responder pelo crime de tortura, que é inafiançável.

A pena é de 2 a 8 anos, de acordo com a lei, a punição pode ser aumentada em um terço quando a vítima é uma criança.  #Igreja #Casos de polícia