Nessa quarta-feira, 3, policiais civis do Distrito Federal realizaram uma assembleia em que decidiram optar por uma #Paralização de 48h para buscar paridade salarial com a Polícia Federal. A paralização começa nessa quinta-feira, 4, e termina na manhã de sábado, 6.

Recentemente, o deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF), se reuniu com policiais militares e divulgou que poderia haver uma greve no período das Olimpíadas. Semanas após a declaração do parlamentar, a secretária de segurança pública, Márcia de Alencar, descartou essa possibilidade.

Brasília será sede de algumas partidas de futebol olímpico, sendo que o Brasil estreia nessa quinta-feira, 4, contra a África do Sul.

Publicidade
Publicidade

Antes da #Seleção Brasileira entrar em campo tem uma partida entre Iraque e Dinamarca, as 13h, no estádio Mané Garrincha.

Motivos da paralização

No último dia 21 de julho, o Ministério do Planejamento enviou uma proposta para o Congresso Nacional aprovar um reajuste no salário dos policiais federais, que, devido suas atribuições, já ganham mais que os civis. O sindicato dos policiais civis busca equiparação com o reajuste.

Atualmente o salário inicial de agente, escrivão e papiloscopista da Polícia Federal é de pouco mais de R$12 mil. O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, considera justa a reivindicação e reconhece o direito dos agentes civis em cobrarem o reajuste, entretanto, ressalta que a crise econômica atual deve ser considerada antes de qualquer mudança.

Para tomar a decisão, a assembleia reuniu cerca de dois mil policiais no início da tarde e as 18h20, após a maioria dos votos optarem pela paralização, os policiais fizeram uma manifestação simbólica e pacifica por aproximadamente dez minutos no Eixo sentido Rodoviária-Rainha da Paz, em Brasília.

Publicidade

A Secretaria de Segurança, o Palácio do Buriti ou qualquer outro órgão oficial, ainda não se pronunciaram sobre a decisão dos policiais. Mesmo com a paralização, uma equipe reduzida deve fazer atendimentos de emergência na delegacia local. Já a Polícia Militar e as Forças Armadas farão a segurança no entorno do estádio Mané Garrincha. #Casos de polícia