Fazendo-se uma analogia, será que se pode afirmar no caso policial ocorrido na noite do último dia 30 de setembro em Brasília, que o exemplo vem de cargos superiores ou mais especificamente, dos políticos acusados de corrupção, fraudes, extorsão e falcatruas em geral no Distrito Federal?

Fato é que 3 jovens militares foram detidos sob a acusação de terem assaltado no mínimo seis cidadãos. Porém, o que mais provoca pavor e estranheza, é que os soldados do Exército são alguns dos responsáveis por fazer a segurança de áreas e instalações da Presidência da República, o que não os impediu de armados com suas pistolas das Forças Armadas, de roubar celulares, dinheiro e outros objetos dos transeuntes na cidade satélite de Ceilândia, conforme informações da Polícia Militar. 

Os três suspeitos detidos fazem parte do plantel do GSI - Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República e na ocasião em que foram localizados, tinham em sua posse os crachás e distintivos próprios dos seguranças da Presidência da República, uma vez que os mesmos guardavam as instalações de áreas como o Palácio do Planalto, o Palácio da Alvorada e a Granja do Torto.

Publicidade
Publicidade

Vale frisar que o GSI é o órgão instituído da segurança de Michel Temer e também coordena os serviços no âmbito da inteligência federal. 

Depois que o boletim de ocorrência foi feito na 23ª Delegacia de Polícia, os três homens foram direcionados e trancafiados no Batalhão de Polícia do Exército, para só assim, serem expulsos da corporação e na Justiça civil ou comum, responder pelos crimes dos quais estão sendo acusados. Vale frisar que os próprios soldados confessaram os roubos e os outros delitos, sendo que a polícia disse literalmente o seguinte: eles "saíram para fazerem umas 'correrias' (arrastões pelas ruas) e depois retornavam para o local de trabalho para cumprirem a escala de serviço". 

No momento da prisão, os jovens disseram que eram policiais civis, mas em posse dos meliantes foram encontrados 6 celulares e correntes, na qual inclusive na mesma noite da prisão, uma testemunha e seis outras vítimas reconheceram os três militares. 

De posse dos soldados do Exército, ainda foram encontrados três pistolas 9mm, que somente são usadas ou deveriam ser, pelas Forças Armadas, seis pentes (carregadores) para as pistolas, um colete à prova de balas, aproximadamente R$ 960 e pequenas quantidades de maconha. 

Diante do exposto, a pergunta que carece de uma resposta mais precisa é: será que a sociedade está prestes a vivenciar uma falência de suas instituições que deveriam ser guardiãs do certo, da moral e que tem o papel de proteger e manter a convivência harmônica entre as pessoas? #Crime #Casos de polícia #Michel Temer