Uma tragédia em família expôs, neste sábado (12), mais um dado da triste estatística de feminicídios no Brasil. Uma mulher foi assassinada pelo ex-companheiro na região administrativa de Samambaia, localizada no Distrito Federal. O crime aconteceu quando ela foi a até a casa dele resgatar a filha de três anos de idade, que lhe havia sido tirada à força.

A vítima, Tatiane Leal Ribeiro, de 38 anos, estava com a filha mais velha, de 12 anos, quando tentou levar a mais nova de volta para casa e foi esfaqueada pelo pai da criança. A pré-adolescente ainda tentou impedir o homem de golpear a mãe, que morreu em sua frente.

Tudo aconteceu na madrugada e até a manhã deste domingo (13) o suspeito não havia sido detido.

Publicidade
Publicidade

Familiares e amigos de Tatiane fizeram homenagens e lamentaram a sua morte nas redes sociais.

A Polícia Civil informou que está apurando o caso, mas que alguns elementos fundamentais permitem dizer que o acusado foi na casa da vítima às 2 horas da madrugada e arrombou a porta para, na sequência, pegar a menina.

Por volta das 3h30, Tatiane e a filha mais velha foram até a casa dele para buscar a criança. O suposto assassino teria aberto o portão da casa e deixado Tatiane entrar. De repente, ele passou a agredi-la com uma faca. Depois disso, ele entrou em um carro e fugiu.

A capital do Brasil não é diferente das demais cidades do país no quesito feminicídios (homicídios contra mulheres gerados por discriminação ou violência doméstica e familiar). Foram 12 casos nos seis primeiros meses do ano, mas os dados certamente são subnotificados, já que contabilizam apenas os casos policiais em que há a qualificação do #Crime.

Publicidade

Vale lembrar que a legislação que qualifica os crimes de feminicídio passou a vigorar apenas em março de 2015, e muitas ocorrências que deveriam ser qualificadas como tal não o são.

Para aqueles que forem condenados por esse crime, a pena é de 12 a 30 anos de prisão, mas pode ser ainda maior se a vítima estiver grávida, for menor de 14 anos ou tiver mais de 60 anos de idade. #Casos de polícia