Cláudia de Marchi, 1,69 m de altura, 34 anos, advogada bem sucedida, decidiu mudar de profissão. Pediu licença da OAB e agora trabalha como "acompanhante de luxo". E a gaúcha decidiu ganhar a vida em Brasília, terra do poder. Ela exercia profissão de professora universitária em Mato Grosso. Em um blog, a #advogada começou a relatar suas experiência na nova profissão. Segundo ela, tomou a decisão, pois foi demitida da faculdade que lecionava, por "egos em instituições particulares". (A faculdade não deu maiores explicações sobre a demissão).

Cláudia também vinha de desilusões amorosas. A advogada confirma que o sexo sempre foi a única coisa em seus relacionamentos e então resolveu ganhar dinheiro com o que fazia de melhor.

Publicidade
Publicidade

A gata foi demitida em fevereiro de 2016 e em maio já estava trabalhando na nova profissão.

A moça conta que cobrava R$ 500,00 a hora de seus serviços, mas, devido à procura, atualmente cobra R$ 600,00.

Cláudia usa seu charme, inteligência, beleza e cultura para divulgar seus serviços. O slogan dela é "Claudia de Marchi, vulgo seu maior prazer!".

Ela atende em média dois clientes por dia e ela quem seleciona. Teria clientela para muito mais, mas ela se diz seletiva.

"Se o cara escreve errado, não tem chance comigo", conta a moça que usa o WhatsApp como principal ferramenta da trabalho.

Políticos

A moça diz que não atende políticos, mesmo sendo esse, talvez, o maior mercado da donzela. Ela conta que saiu com um deputado que a espancou por ciúmes. Cláudia afirma que não o processou, mas o bloqueou no WhatsApp e decidiu não mais fazer sexo com políticos e afirma que existe uma alta sociedade inteira para anteder em Brasília.

Publicidade

Garota de programa, não!

Ela se diz acompanhante de luxo, e não garota de programa. Ela diferencia-se pelo nível cultural.

Claudia diz que não se subjuga e que não passaria fome se ninguém quisesse pagar o que ela cobra. Ela tem guardado o FGTS de sua rescisão e diz que leva uma vida tranquila, sem consumismo, o que a garantiria bem, por bastante tempo. #prostituição #Política