Uma idosa de 63 anos foi estuprada por cerca de 2h, na cidade satélite de Ceilândia. A casa da senhora, localizada no condomínio Sol Nascente, o maior da cidade, foi invadida por um homem que chegou se impondo e ameaçando a senhora. O caso ganha mais contornos de crueldade, pois a senhora estuprada sofreu recentemente um derrrame e praticamente não tem movimentos em uma das pernas, necessitando de "muleta" para se locomover.

Um homem, de 35 anos, suspeito de tê-la estuprado, chegou a ser preso. Entretanto, o homem era um pouco diferente do descrito pela senhora e ele foi solto. A #idosa descreve o agressor como um homem branco, gordo e alto.

Publicidade
Publicidade

Ele vestia uma bermuda vermelha no ato criminoso. Ela acabou não o reconhecendo e o mesmo foi liberado. Entretanto, a família critica a polícia, uma vez que a senhora ainda estava extremamente abalada e sem condições de reconhecê-lo naquele momento.

A Polícia Militar ainda não fez a oitiva oficial da vítima, por orientação médica. Ela foi encaminhada ao Instituto Médico Legal (IML) para realizar os exames de corpo de delito e só depois que se sentir em condições, fará o depoimento. O caso será investigado pela 19ª Delegacia de Polícia, no Setor P Norte.

Na entrevista que sensibilizou inclusive a repórter da Record, a idosa deu detalhes do ataque. Ela afirma que o homem chegou portando uma faca e com o rosto coberto. O homem afirmou que se ela dissesse algo seria seria morta. Arrancou sua roupa e pediu para que ela se deitasse na cama de um dos quartos.

Publicidade

A mulher, que tem dificuldade de locomoção, não conseguia atender o comando e foi jogada na cama.

A partir daí, as cenas de terror e abusos duraram 2h. Por algumas vezes, a mulher afirma que clamava por Deus, pedia em orações que alguém chegasse para salvá-la. "Deus não quis que chegasse alguém, pois talvez, se isso acontecesse ela, poderia morrer", continua a idosa.

Ela finaliza a entrevista dizendo que não se sente mais segura morando na região e, portanto, terá que se mudar, mas ainda não sabe para onde.

Assista à primeira parte da reportagem.

Assista à segunda parte da reportagem.

#Brasília #Estupro