Um homem, que é pago pelo estado para proteger a população, foi preso, em Brasília, sob a acusação de estuprar o torturar o próprio filho. Dauvandro Holanda Ayres é sargento da Polícia Militar do Distrito Federal e foi detido no dia 28 de fevereiro, na terça-feira de Carnaval, sob a acusação de molestar e ainda torturar o próprio filho legítimo de 9 anos.

O crime é investigado pela Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA). Por ser militar e estar ainda sob investigação, ele está preso no 6º Batalhão da PM, no começo da Asa Norte, na região do Plano Piloto. Ele chegou a ficar preso também no Batalhão de Choque e numa das celas da própria Secretaria de Segurança Pública (SSP).

Publicidade
Publicidade

Segundo parentes e a própria esposa de Dauvandro, não se sabe ao certo desde quando o crime estava sendo praticado, mas foi percebido e filmado no final do ano passado. A mãe da criança, ao identificar os abusos, interpelou o homem que a ameaçou de morte e a agrediu brutalmente.

A mulher então resolveu dar queixa em novembro de 2016 das ameaças de morte que ela vinha sofrendo, das agressões físicas, além do #Estupro e da tortura contra o filho. Ela registrou um Boletim de Ocorrência (BO) na 19ª Delegacia de Polícia de Ceilândia bairro da periferia do DF (Cidade Satélite) e decidiu mudar para a casa de parentes.

Na fase de coleta de provas também foi entregue à polícia um vídeo que será determinante para que o inquérito seja finalizado. O vídeo é registro cabal das violências contra o menino.

O inquérito corre em sigilo e está sendo apurado pela DPCA.

Publicidade

O objetivo agora é coletar provas adicionais que vierem a surgir, aguardar resultados de exames e esclarecer quais as circunstâncias em que ocorreram os abusos sexuais.

A Justiça, além de decretar a prisão preventiva contra o homem, também decidiu conceder medida protetiva à favor da mulher e o garoto, determinando que ele devesse deixar a residência localizada também em Ceilândia e manter-se afastado dos dois. A ex-mulher, mesmo com a decisão, não retornou à residência e continua na casa de parentes.

Segundo apurou o site candango de notícias, Metrópoles, ele ainda responderá à acusação de violência doméstica contra a mulher que está sendo conduzido pela Delegacia de Atendimento a Mulher (Deam) do DF.

A PM ainda não se pronunciou sobre o caso. #Pai #Casos de polícia