O segmento dos ‘very light jets’ reúne os jatinhos mais compactos do mercado, aqueles que, se fossem automóveis, ocupariam o mesmo nicho de mercado do Mini ou do Cinquecento, da Fiat. Obviamente que há um verdadeiro abismo entre os preços de um compacto retrô e uma aeronave executiva, mesmo que ela corresponda a um modelo de entrada. Imagine, então, um Honda que custa US$ 4,5 milhões, o equivalente - pelo menos até esta quarta-feira - a R$ 15,65 milhões. Bom, por este preço o veículo em questão deveria até mesmo voar, não é verdade?!

E, neste caso, voa mesmo!

O Honda HA-420 ou HondaJet, como é mais conhecido, é o primeiro jato executivo da subsidiária aeronáutica da marca.

Publicidade
Publicidade

Novidade por aqui, ele fez seu primeiro voo em dezembro de 2010, cinco anos depois de ser apresentado mundialmente no Oshkosh Airshow. O modelo entra em operação ainda neste ano, logo após sua certificação pela Administração Federal de Aviação (FAA) norte-americana e as primeiras entregas - no Brasil, as entregas só começam em 2017. Hoje, há 20 unidades em produção na fábrica de Greensboro, na Carolina do Norte.

"Além da melhor performance de sua classe, o HondaJet aposta na cabine mais espaçosa do segmento e no custo operacional 20% mais baixo em relação aos seus concorrentes diretos", enfatizou o presidente do braço aeronáutico da Honda, Michimasa Fujino, durante a apresentação oficial do modelo na Latin American Business Aviation Conference & Exhibition (Labace), em São Paulo. "Hoje, o Brasil é o segundo maior mercado mundial da aviação executiva e termos uma boa participação, aqui, é fundamental para nossa estratégia global".

Publicidade

O HA-420 tem alcance de pouco mais de 2.100 quilômetros, voando de São Paulo a Salvador ou Buenos Aires, na Argentina, sem escala - partindo da capital paulista, também é possível ir e voltar ao Rio de Janeiro, a Belo Horizonte, Brasília ou Curitiba sem necessidade de reabastecimento. Sua velocidade máxima, de quase 780 km/h, impressiona, mas os voos de cruzeiro acontecem a 480 km/h, privilegiando a economia de combustível. Outro destaque do HondaJet é seu teto operacional, de 43 mil pés.

Entre as particularidades do jatinho que tem configuração típica de um tripulante e cinco passageiros, mas pode levar até seis passageiros, está a montagem dos motores sobre as asas (OTWEN), que melhora a dinâmica de fluxos de ar e garante maior autonomia. Por falar neles, são duas turbinas GE Honda com 2.050 libras de empuxo, cada. A suíte aviônica G3000, da Garmin, é outro destaque e sua distância de decolagem de 1.220 metros permite que a aeronave opera em pistas curtas, como as dos aeroportos de Santos Dumont e Congonhas.

Publicidade

O presidente da Líder Aviação, Eduardo Vaz, que representa a Honda Aircraft no Brasil, está otimista com relação ao desempenho comercial da aeronave. “A crise não deve se prolongar e temos um plano de negócio com pagamento escalonado para nossos clientes. Queremos iniciar as entregas em dois anos”, disse ele. O Citation Mustang (a partir de US$ 2,65 milhões), da Cessna, o Eclipse 550 (a partir de US$ 2,9 mi), da One Aviation, e o Embraer Phenon 100 (a partir de US$ 3,6 mi) são os concorrentes diretos do HondaJet. #Inovação #Viagem #Blasting News Brasil