Na Alemanha, a Volkswagen está considerando como alternativa ao recall de 2,4 milhões (3 milhões na Europa) de veículos a Diesel de 1.6 litros de capacidade, oferecer descontos na compra de um veículo novo VW ou mesmo incentivos adicionais na compra de um carro zero km, como já é feito inclusive por várias montadoras europeias com a frota de veículos mais antigos. Na substituição dos carros que não atendam aos atuais padrões de emissões.

Uma alternativa como na substituição dos veículos em “estado de demolição”. Um bônus que excede o valor de mercado dos veículos, subsídios, descontos fixos ou taxas de juros mais em conta.

Publicidade
Publicidade

A medida em estudo pela montadora é uma opção principalmente em relação aos Volkswagen equipados com motor Diesel de 1.6 litros, já que apenas a atualização do software – responsável pelo escândalo mundial que a marca passa por fraudar a analise no controle de emissões, não é suficiente para a reparação do motivo de recall.

É necessário também o desenvolvimento de novas tecnologias, com os custos correspondentes a novos componentes e horas de trabalho, além do longo prazo de um ano para dar início ao recall, com o inicio previsto somente para outubro de 2016.

Essa operação é ainda mais complicada e onerosa se levado em conta os diferentes componentes mecânicos - controles de motor, bombas injetoras e bicos - utilizados em conjunto com o software “fraudador” nos países em diferentes etapas das leis de controle de emissões e gases poluentes no meio ambiente.

Publicidade

A troca por um novo modelo da Marca será especialmente atraente aos proprietários de veículos com elevada quilometragem, se levado em conta o sedutor valor de recompra que a montadora deverá oferecer.

No modelo Diesel de maior capacidade, com 2.0 litros e menor com 1.2 litros, serão convocados respectivamente 4,6 milhões e 340 mil veículos, a partir de janeiro de 2016.

No Brasil, a VW comercializa desde 2011 a pick-up Amarok, com motor Diesel do tipo EA 189 2.0 litros, desenvolvido e produzido na Alemanha desde 2005, e que adotou o software “fraudador” a partir de 2.008. O seu recall requer apenas atualização do software que será disponibilizado a 17.057 veículos, a partir do primeiro trimestre de 2016.

Ainda em razão dos altos custos do recall, executivos da Volkswagen AG especulam a venda da Bugatti, Ducati, Lamborghini e Seat, empresas com menor lucratividade do Grupo VW, que reúne 12 marcas ao redor do Mundo. #Negócios #Automobilismo #Crise