A estrada aberta, o vento em seus cabelos, a sensação de liberdade e de fazer parte do ambiente a sua volta, a fuga em direção à grandeza das montanhas. Essas e outras tantas representações sobre andar de motocicleta permeiam o imaginário de motociclistas e entusiastas.

Andar de moto é um hobby emocionante e desafiador, mas pode ser também um completo desastre caso o motociclista inexperiente não escolha o modelo mais adequado para si. Com intuito de dar uma força, veja alguns modelos para quem está começando agora a enveredar em meio ao admirável mundo novo do motociclismo.

O poder aquisitivo, infelizmente, faz com que a paixão por motos seja muitas vezes mais platônica.

Publicidade
Publicidade

É, portanto, uma indicação feita com base nas horas livres assistindo moto-vlogs (existem vários no YouTube), enquanto toma café com leite e come pão de queijo.

Foram selecionadas #MOTOS entre 250 e 400 cilindradas. Motos de potência abaixo disso existem aos montes no mercado e podem ser uma boa escolha para quem está começando e não pode dar saltos financeiros mais altos. As grandonas, com cilindrada acima de 500, exigem maior experiência para serem pilotadas.

Muitas pessoas começam nas grandes e se dão bem, outros caem, alguns morrem nelas. O recomendável começar pelas pequenas, que têm potencial para dar conforto, diversão e, além disso, maior segurança porque a dimensão e potência menor permitem ao motociclista, mesmo aos inexperientes, ações rápidas que evitam qualquer sinistro, diferente das grandes, que exigem maior destreza para isso.

Publicidade

Serão apresentadas somente algumas informações bem gerais destas belezinhas. É recomendável procurar sempre uma concessionária para poder olhar de perto a máquina e, se possível, fazer um test drive. É importante que o motociclista considere que a melhor moto é aquela que se adequa com seu corpo, de forma que se sinta confortável e que não se transforme em um transtorno futuramente.

Para a nossa felicidade, nos últimos anos, muitos brinquedinhos lindos entraram para o mercado brasileiro. Tem cada coisa linda que só vendo. Dá vontade de pegar tudo e levar pra casa. O mercado disponibiliza hoje para as pequenas, entre outras categorias, as seguintes: naked, mini-esportiva, mini-custom. Existem várias outras categorias, como scooters e off-road, mas, por enquanto, será falado das outras.

E, sem mais delongas, que comece o desfile, ao som, é claro, de Steppenwolf:

Naked

As naked (“nuas”) são motos que têm bom desempenho (algumas de alta cilindrada) em relação ao motor e conjunto mecânico, mas modificadas para permitir uma posição de pilotagem menos deitada, e mais sentada, melhorando o conforto para condução em vias urbanas, com guidão mais alto do que nas esportivas.

Publicidade

Porém, não possuem carenagem (que são caras e frequentemente são danificadas quando na condução em vias de muito tráfego). Dentro desse modelo, o mercado oferece as seguintes belezinhas:

Yamaha MT-03

Aguenta, coração, é só para começar. Não seria necessária uma lupa para constatar que essa coisinha linda ai é dona de um design robusto, claramente inspirado na família MT (09 e 07). Ela possui motor de dois cilindros, de 42 cavalos, com proposta urbana, mas roda muito bem também em pequenas viagens.

Kawasaki Z300

Gatona! Visual imponente, a pequena com cara de grande é moldada para as ruas da cidade, mas também se sai bem em pequenas viagens. Entrega um bom desempenho com os seus 39 cv gerados pelo motor bicilíndrico de 296 cm³, proporcionando prazer e diversão ao pilotar.

Suzuki Inazuma 250

Com um jeito moderno e detalhes retrô, a Inazuma 250 tem um ar bem diferenciado. Menos potente e mais pesada que as rivais, a velocidade não é o destaque dela, mas basta subir nela para notar que sua maior virtude é o conforto proporcionado pelo banco largo, de espuma macia, que deixa os percursos longos mais agradáveis. Além do baixo nível de vibração transmitido pelo motor de 2 cilindros e 24,5 cv.

Dafra Next 250

Com um ótimo custo benefício, o sortudão leva para casa essa lindeza de visual agressivo e esportivo. O seu motor monocilíndrico de 250 cilindradas e 25 cv não faz milagres, além de ter maior vibração, comparado aos de dois cilindros. Em contrapartida, a baixa potência proporcionará um bom consumo de combustível.

Numa época em que quase é preciso pagar com um rim para conseguir encher o tanque, vale a pena pesar na hora da compra esse aspecto.

Honda CB Twister

Entre as menores da categoria, a CB Twister chama a atenção com o seu baixo consumo de combustível e preço acessível. Por um baixo custo poderá desfilar na avenida com essa belezinha que lhe oferece um motor monocilíndrico de 250 cc e 22,6 cv. É uma boa pedida para quem precisa se deslocar no trânsito apertado das grandes cidades e quer dar uma voltinha no final de semana.

Yamaha Fazer 250

Melhor preço, mais confortável e econômica, a Fazer 250 muito provavelmente será a líder de vendas na categoria. Com motor monocilíndrico de 250 cc e 20,9 cv, é uma ótima escolha para quem andará mais nas vias urbanas e quer pagar pouco por algo mais potente do que as pequenas 125 cc.

Mini-esportivas

Agora é para aqueles que querem começar com muita esportividade. As esportivas são motos com design aerodinâmico e mecânica de auto desempenho, mesmo nas mini-esportivas. Pela posição de pilotagem (o piloto fica praticamente deitado sobre o tanque de combustível, com o tronco inclinado para a frente e os pés para trás), não são motos muito confortáveis para utilização em vias urbanas, sendo mais indicadas para condução em rodovias.

Normalmente, o banco do garupa é bastante desconfortável, e alguns modelos, por serem inspirados nas motos de corrida, nem mesmo têm esse banco disponível, sendo monolugares.

Yamaha YZF R3

Baixinha invocada, a esportivinha R3 é daquelas que faz torcer o pescoço do pedestre quando passa. Tem um preço salgado, mas promete muita emoção com o seu visual esportivo que não perde em nada para as irmãs maiores.

O seu motor de dois cilindros em linha e 320 cm³ trabalha de forma parruda, dando à moto o máximo que seus 42 cv podem gerar. O resultado disso são acelerações vigorosas para uma moto pequena, de 167 quilos, fazendo o piloto chegar a mais de 200 km/h.

Kawasaki Ninja 300

Páreo duro para a R3, a Ninja 300, Ninjinha para os íntimos, há anos é o sonho de consumo de milhares de brasileiros, se tornando o modelo de maior sucesso da Kawasaki no Brasil. Traz um forte motor de 2 cilindros com 300 cc e 39 cv.

Por mais de R$ 20 mil você leva para casa essa belezinha que a melhor palavra que a define é diversão. Trata-se de uma moto sport mais acessível, tanto em termos de pilotagem como para o bolso, que os modelos maiores. Mesmo não sendo uma 1000 ou 600, a Ninjinha é uma opção real para quem não pode gastar algumas dezenas de milhares de reais em uma motocicleta esportiva.

Mini-custom

As custom são motos estradeiras, preferidas por um público mais tradicional. Não priorizam a velocidade e são mais voltadas ao conforto, mantendo a altura do banco baixo, pedaleiras avançadas, tanque grande em posição paralela ao chão de forma a proporcionar uma posição confortável para pilotagem.

São muito confortáveis para viagens longas, seja sozinho ou acompanhado. O piloto fica recostado para trás, com os pés para a frente, o carona geralmente se apoia em encostos chamados de sissy bar.

Dafra Horizon 250

O visual custo costuma estar atrelado a uma etiqueta de preço bem salgadinha, mas a Horizon 250 vem para conquistar sozinha uma categoria carente de opções no Brasil. A única na categoria das mini-custom, ela traz um motor monocilíndrico de 250 cc e 23 cv. A sua potência aguenta bem as exigências das estradas e o fato dela ser pequena possibilita andar com alguma tranquilidade no nosso caótico trânsito urbano. Pelo preço médio de R$ 16.890,00, você pode ter ela para passear por aí com uma jaqueta de couro e a barba livre ao vento.

Cai o pano

É pegar todo o apetrecho (luvas, jaqueta, botas, capacete), subir no modelo que curtiu e que tem uma potência adequada ao seu estágio de experiência e sair desvendando o mundo. #Dicas