A sonda americana Curiosity tem percorrido as terras de Marte há 20 meses, com o objetivo de coletar dados do planeta vermelho. Na sua jornada, atravessou a cratera de Gale, que possui mais de 150 Km de diâmetro. Nela, o robô Curiosity conseguiu detectar uma fonte localizada, que tem provocado variações na concentração de metano na atmosfera de Marte, informou a NASA, em meados de dezembro desse ano.

No planeta Terra, a produção do gás metano advém dos seres vivos. Porém, além da origem biológica, há outras fontes, como por exemplo, certos tipos de minerais que liberam o gás quando entram em contato com a água. Diante desse contexto, cientistas apontam a possibilidade dos compostos orgânicos terem sido trazidos através de outros meteoritos ou cometas que colidiram em Marte.

Publicidade
Publicidade

Sem ainda nenhuma explicação evidente, o robô conseguiu notar que a presença do gás teve alguns picos durante dois meses, onde foi constatado que os níveis de metano multiplicaram-se até dez vezes e voltaram a baixar bruscamente. Além disso, esse aumento possui níveis incompatíveis com o seu próprio ciclo de vida médio, que, segundo os cientistas, deveria permanecer na atmosfera por cerca de 300 anos, aponta uma pesquisa publicada na revista Science.

Em maio de 2013 o instrumento SAM do Curiosity, perfurou o solo marciano em uma rocha chamada Cumberland, em Yellowknife Bay no interior de Gale, para a coleta de amostras, cujos resultados da análise, que foram lançados recentemente, mostraram que há a presença de compostos orgânicos (aqueles que contêm carbono), que são substâncias essenciais para a formação da vida.

Publicidade

Dentre os compostos orgânicos foram detectados o clorobenzeno e outros dicloroalcanos, como o dicloropopano, diclorobutano e dicloroetano.

A divulgação das amostras demorou para ser divulgada, visando evitar mais uma decepção, pois em 2012 acharam que tivessem descoberto compostos orgânicos em Marte, mas na verdade era uma contaminação do planeta Terra, a bordo do robô Curiosity.

Segundo os cientistas, o terreno seco onde Curiosity coletou as amostras é feito de sedimentos depositados por um lago, que existiu ali há bilhões de anos, na cratera de Gale.

As descobertas de Curiosity foram importantes para provar que Marte ainda é um planeta quimicamente ativo, além de mostrar condições essenciais para a formação de vida. A NASA está programando outra missão para 2020, com o objetivo de coletar mais amostras dos solos marcianos e analisá-las de modo mais aprofundado.