O teste da linguinha, segundo a fonoaudióloga Roberta Martinelli, integrante da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, consiste em um exame que detecta a existência de uma má formação na membrana que se encontra na parte inferior da língua se ligando à mandíbula (frênulo), também conhecido como freio que auxilia no movimento da língua e consequentemente interfere na fala.

Quando essa alteração ocorre, além de dificultar o movimento da língua prejudica a alimentação do bebê já na amamentação, já que a "língua presa" dificulta a sucção do leite, e posteriormente na ingestão dos outros alimentos. De acordo com a fonoaudióloga Roberta Martinelli, na maioria dos casos é necessária uma intervenção cirúrgica rápida, na qual é feito um corte, com anestesia local nessa membrana (freio), para aumentar a movimentação da língua, logo depois, a criança já pode ser amamentada.

Publicidade
Publicidade

Para outros fonoaudiólogos a intervenção cirúrgica não é necessária, já que se pode tentar outros tratamentos para superar o problema.

Os hospitais e maternidades têm 180 dias para se adaptarem à nova lei (13.002/2014), que foi sancionada pela presidente Dilma.

Existem outros exames que devem ser feitos em recém-nascidos para evitar problemas futuros. A maioria é obrigatória e realizada gratuitamente pela rede pública de saúde brasileira. Dentre eles podemos destacar: teste do pezinho, tipagem sanguínea, teste da orelhinha, teste do olhinho, teste do coraçãozinho, teste do quadril, entre outros.

Esses exames diagnosticam doenças hereditárias, doenças no sangue, deficiência de proteínas, falta de audição, alterações oculares, doenças cardíacas, problemas nos ossos, entre outros problemas.

Publicidade

Então, para você que quer sempre o bem do seu bebê não deixe de solicitar esses exames logo depois do nascimento. Dê ao seu filho a oportunidade de ter qualidade de vida, só depende de você, pois algumas doenças quando descobertas precocemente podem ser tratadas e curadas da forma correta sem maiores danos corporais ou psicológicos. #Legislação