Durante toda a nossa vida, vários amores são descobertos a cada dia; não tão somente por pessoas, animais ou as coisas inanimadas, mas também por objetos, pertences, coisas intangíveis como música, filmes, séries de tevê, etc. Existem vários hormônios que estão ligados com estas emoções, estas vontades, hormônios que são diretamente liberados por nós quando estamos fazendo algo que gostamos, assistindo algo que gostamos, permanecendo ao lado de pessoas que nos agradam e várias outras significâncias boas "da vida".

Os hormônios são moléculas biológicas (às vezes, lipídicas, glicolipídicas, proteicas e demais) que fazem sinalização pelo nosso corpo. Custamos chamá-los de sinalizadores do organismos, pois eles sinalização informação, ou seja, levam informação de uma estrutura do corpo (pode ser tecido ou órgão, glândula) para outra estrutura do corpo, seja ela de mesma composição tecidual ou não. Por isto, fazem com que haja uma comunicação gigante entre o organismo próprio sem a necessidade de neurotransmissores imediatos.

O hormônio "Ocitocina" é o nosso hormônio do amor, ou seja, que está relacionado aos trejeitos afetuosos que uma pessoa apresenta em relação a outras pessoas; claro, esta definição é muito ampla, ele está relacionado com a amamentação, com o prazer e o sentimento de estar bem.

Segundo o biólogo Macbeeth, a ocitocina (ou oxitocina):

"é um hormônio produzido pelo hipotálamo (órgão do corpo humano) e armazenado(a) na Neuro-hipófise (glândula controladora do corpo humano) posterior (Neurohipófise), que tem a função de promover as contrações musculares uterinas e reduzir o sangramento durante o parto, para estimular a liberação do leite materno, para desenvolver apego e empatia entre pessoas, para produzir parte do prazer do orgasmo, mas que também produz medo do desconhecido."

Portanto, a ocitocina está ligadas a muitas emoções além da conhecida "paixão", vontade de "estar perto", "gostar"; existem várias outras, inclusive não tão boas assim como o despertar do medo. É legal estabelecer que este hormônio está presente em grandes quantidade em várias situações, e é isto que deixa a biologia mais interessante: entender que algo (neste caso, o hormônio) um hora é uma coisa, outra hora é outra.

Eu só desejo a todos mais Ocitocina do amor, da paixão e confraternização neste fim de ano! #Curiosidades