Os pesquisadores se encontram surpresos com a descoberta de um vírus que pode deixar as pessoas menos inteligentes. Esse vírus, denominado ATCV-1, não provoca nenhum sintoma que seja perceptível, mas silenciosamente vai agindo e interferindo no funcionamento do cérebro humano, reduzindo a capacidade cognitiva de quem por ele seja afetado.

Cientistas da Universidade do Nebrasca em pesquisas se propuseram a coletar amostras para fazer uma análise nos tecidos da garganta de 92 pessoas, analisando para verem quais vírus encontrariam. Surpresos, encontraram o ATCV-1- conforme relatou Van Etten, um dos pesquisadores: fizemos a pesquisa e encontramos dentre essas 92 pessoas, 43,5% afetadas.

Publicidade
Publicidade

Esse vírus já era do conhecimento da ciência, porém só era encontrado em algas, nunca se ouviu falar que ele poderia afetar seres humanos.

A surpresa maior veio depois, quando os cientistas começaram a fazer análise para saberem se esse vírus poderia ter efeito sobre a saúde dessas pessoas que por ele foram afetadas. Não havia nada a ser comprovado, mas, existiu sim uma consequência que os intrigou: as pessoas afetadas foram as piores nos testes que medem a atenção e memória.

"Surpresa, precisamos entender," disseram todos os cientistas pesquisadores. Foram logo injetando o ATCV-1 em ratos e notaram que foi provocado o mesmo efeito, esses pequenos camundongos tiveram dificuldades em aprender a atravessar um labirinto, não se lembraram do caminho depois, e seja pelo motivo que foi, eles ficaram mais burros.

Publicidade

Van Etten explicou que ainda não se sabe como o vírus afeta o cérebro, mas acredita que ele age alternando a atividade de genes relacionado ao hipocampo, ou seja, afeta a região cerebral que coordena a formação da memória. Existe ainda outra hipótese, que o ATCV-1 confunda o sistema imunológico do organismo: esse vírus ataca os neurônios, prejudicando um melhor funcionamento. Os cientistas disseram também que não sabem como ele pode ser transmitido das algas para os seres humanos, mas que provavelmente seria por meio de água contaminada.

Quando li esta notícia, não pude deixar de pensar: _Poxa, a nossa água, produto vital para os humanos, que está em plena iminência de acabar e isso é motivo de grandes preocupações e agora aparece mais uma razão para que com ela todos redobrem suas preocupações sobre o risco de, ao tomá-la, ficarmos menos inteligentes.

Mas existe uma esperança de escaparmos disso: a Universidade de Illinois criou um chip com WI-FI que pode curar a infecção.

Publicidade

Consiste no seguinte: um microchip que é colocado em um transmissor WI-FI para ser implantado sob a pele dos ratos que estavam infectados com a bactéria Staphylococcus aureus imune a maioria dos antibióticos. Ligado, o transmissor emite um sinal eletromagnético para o chip que gerou uma quantidade de calor inofensiva para o rato, mas o suficiente para matar a bactéria. O chip é construído com materiais biodegradáveis e se dissolve dentro de um mês.

Esse procedimento pode acabar com as infecções graves e resistentes aos remédios e que por certo poderá também evitar que um dia venhamos a nos tornarmos menos inteligentes. #Curiosidades