Cientistas pesquisadores estão trabalhando no nível de estresse emocional de animais através de bactérias contidas no estomago. Em humanos, esse link entre bactérias e estresse emocional está começando agora a ficar claro. Um novo estudo publicado na revista Psychopharmacology sugere que cultivar bactérias pode ajudar no processo de como nós processamos informações e possivelmente ajuda a facilitar a ansiedade e depressão.

Existem atualmente os “probióticos” (boas bactérias) e os “prebióticos”, fibras que ajudam o crescimento e beneficiam a fauna intestinal. Atualmente os cientistas estão concentrados em aumentar o conhecimento sobre como isso pode potencializar a resposta do organismo a drogas psiquiátricas, e para isso, os estudos dos efeitos de prebióticos em secreções do hormônio de estresse cortisol são realizados em mais de 45 pessoas saudáveis entre 18 e 45 anos que ingeriram ou prebióticos ou um placebo todos os dias.

No final de um período de três semanas de tratamento, os voluntários realizaram várias tarefas no computador para ser possível avaliar os processos emocionais e informações relevantes. Os pesquisadores também amostraram o nível de cortisol dos participantes através da saliva durante a manhã, também chamada “resposta do cortisol da saliva despertar”, antes e depois do prebióticos (ou placebo) ser administrado.

Comparado com o grupo controle (aquele que não foi administrado nada), o grupo que tomou os prebióticos tendeu a prestar mais atenção em informações positivas e sua resposta salivar foi significativamente menor. As descobertas sugerem que os indivíduos no grupo dos prebióticos têm “menos ansiedade sobre estimulações negativas”. Contudo, eles não encontraram nenhuma mudança nos indivíduos relacionadas a graus de estresse ou ansiedade.

A supressão da resposta do estresse é consistente com descobertas anteriores sobre mudanças na microbiota. Os pesquisadores permanecem incertos de como essas mudanças podem afetar o cérebro. De acordo com os pesquisadores, a fauna intestinal pode afetar o sistema imunológico, e com isso, o cérebro poderia ser influenciado. #Curiosidades

Citação da publicação: Burnet, PW. 2012. Gut bacteria and brain function: the challenges of a growing field. Proc Natl Acad Sci U S A.  109(4):E175; doi: 10.1073/pnas.1118654109.