Cabbo Canaveral. Depois da turnê de milhões de quilômetros, a sonda New Horizons, da NASA, aproxima-se do fim da sua jornada rumo a Plutão - que já dura nove anos. No domingo, a sonda vai começar a fotografar o planetoide gelado misterioso.

As primeiras fotos revelam um pouco mais de pontos brilhantes, como New Horizons. Isso porque ainda está a mais de 160 milhões de quilômetros distante de Plutão, mas as imagens tiradas permitirão aos cientistas estimar a distância restante e manter a sonda em curso para sobrevoar Plutão, em julho.

Esta será a primeira missão a Plutão e os cientistas estão ansiosos para explorá-lo, visualmente por enquanto.

Publicidade
Publicidade

"New Horizons tem sido uma missão que está atrasada em muitos aspectos, mas finalmente, está no caminho certo para ser realizada. Vamos dar uma acelerada no projeto nos próximos meses para a sua finalização. Não podemos esperar que a hora de ver Plutão como um mundo real e não um borrão", disse na sexta-feira (23), o cientista Hal Weaver, do Laboratório de Física Aplicada, da Universidade Johns Hopkins.

Lançado do Cabo Canaveral em janeiro de 2006, em uma missão orçada em US$ 700 milhões, New Horizons despertou de um período de sonolência, no início do mês passado. Os controladores de voo passaram as últimas semanas preparando a nave para a fase final, a  mais importante da sua jornada.

"Estamos trabalhando neste projeto e alguns de nós pelo tempo equivalente a um quarto de nossas carreiras para alcançá-lo", disse o gerente de projeto, Glen Fountain, do Laboratório de Física Aplicada, "e agora vamos encontrar a veia principal".

Publicidade

A nave com câmera de longo alcance vai tirar centenas de fotos de Plutão nos próximos meses. Vai levar alguns dias antes que as imagens cheguem até a Terra, e os cientistas estimam que terão as primeiras no início de fevereiro. Em maio, novas fotos devem ser reunidas e, em seguida, ultrapassarão as tiradas pelo Telescópio Espacial Hubble.

Plutão era oficialmente um planeta do sistema solar, quando New Horizons partiu para o espaço e após sete meses de exploração, a União Astronômica Internacional classificou-o como um planeta anão.