O sal foi o primeiro tempero da civilização e é necessário ao ser humano. É também fato científico que o corpo precisa de muito pouco sal, entre 2,5 e 5,0 gramas por dia (menos do que uma colher de café cheia de sal diariamente), quantidade que geralmente existe nos próprios alimentos.

A praticidade no dia a dia, o pouco caso e até mesmo a teimosia, nos leva a insistir em um erro: consumir sal em excesso, situação que causa danos irreversíveis à saúde, provocando uma doença silenciosa e muitas vezes fatal, a hipertensão arterial.

Longe de nós fazer apologias ou condenar quem quer que seja, mas não podemos mais alegar ignorância.

Publicidade
Publicidade

Então, curiosos e conscientes, lançamos mão da certeza popular de que o sal é insubstituível, para propor outros temperos.

A partir dessas dicas, faça você a sua alquimia e surpreenda-se com novos paladares mais naturais e saudáveis. Bom Apetite.

Matemática do tempero

Quanto maior o número de tempero que usamos, mais desnecessário se torna o sal.

As ervas aromáticas, especiarias, caldos, óleos, legumes, frutas e bebidas (cervejas, cachaças, vinhos e conhaques para marinar e flambar) são excelentes opções na preparação de pratos e vale à pena arriscar.

A seguir descrevemos as ervas mais comuns utilizadas na #Culinária e que podem transformá-lo em um chef.

Alho: ingrediente essencial na cozinha. Pode ser usado cru ou refogado. Quando seco ou desidratado, substitui o alho cru em qualquer utilização.

Publicidade

Muito utilizado no arroz, sopas, molhos e carnes.

Alecrim: erva de aroma fresco, dá sabor às aves, sopas, molhos de tomate, peixes, frutos do mar, carnes, ensopados de legumes e pães. Quando seca ou macerada e passada em carnes de porco e frango antes de assar, deixa um toque diferente.

Cebola: faz par normalmente com o alho e não pode faltar na sua cozinha. Pura e desidratada é indicada em todas as preparações da cebola fresca, utilizada em sopas, aves, molhos e carnes bovinas, etc.

Cebolinha: parente da cebola, mesmo aroma, mesmo sabor, mas menos marcante. Não deve faltar nos refogados. É muito usada em omeletes, sopas, molhos, saladas, hortaliças cozidas, gado, frango, peixe e batata cozida.

Hortelã: é muito popular na cozinha árabe. Excelente no preparo de molhos para salada, sopas, peixes e carnes. Adicione à berinjela, abobrinha, ervilha, peixes, sucos, chás e geleia.

Manjericão: de sabor marcante e agradável, fresco ou seco, é usado com tomate (tanto nos molhos quanto nas saladas), massas (no molho pesto), carnes e sopas.

Publicidade

Orégano: não há pizza que se preze sem ele, mas também pode ser utilizado em molhos de tomate, vinagre, sopas, massas, legumes, saladas, ensopados, feijão e ovos.

Pimenta do reino e pimenta vermelha: a preta é mais forte, a branca mais suave e a vermelha mais ardida. Todas são indispensáveis. Usar nas carnes, molhos, risotos, ensopados, omelete, feijão e lentilha.

Salsa: de todos os cheiros-verdes é a mais conhecida. Colocar no final do preparo de omelete, sopa, molhos, saladas, hortaliças cozidas, carne, frango, peixe, carreteiro e batata cozida.

Faltou alguma? Lembre-se que sua criatividade está aberta às novidades.

Como achar temperos

Para encontrar esses temperos você pode procurá-los nas feiras livres, nos supermercados, mercados municipais, floriculturas (as ervas frescas) ou lojas especializadas. Na sua maioria esses temperos são fáceis de serem encontrados.

Procure usá-los in natura (folhas ou sementes), mas sendo seco, desidratado, granulado, em flocos ou pó, são ótimos, dão um toque especial e podem diminuir o uso do sal. #Família