O sangue corre nas veias e mantém o organismo vivo, por isso é tão importante em situações mé#Dicas de emergência quando o paciente corre riscos de não sair vivo dali. É muito pouco provável que as pessoas comuns, vivendo seus cotidianos afazeres, venham a imaginar que irão precisar de sangue. Tampouco vão pensar em quem precisa, por que precisa e onde precisa se não estiverem vivenciando um momento íntimo com essa necessidade, seja sua ou de alguém próximo.

É necessário que, de vez em quando, campanhas para estimular as doações sejam feitas e o período pré-carnavalesco é uma dessas épocas, principalmente por causa das tradicionais férias tiradas por muita gente.

Publicidade
Publicidade

Mas as pessoas viajam, esquecem de doar, os estoques são usados e o sangue fica em falta.

Tem gente que pensa que os principais usuários de sangue dos bancos são acidentados, mas isso não é verdade. Há uma série de situações diárias na vida de milhares de pessoas que sofrem com doenças que impedem o bom funcionamento dos rins e da medula, por exemplo, e estão fazendo quimioterapia, que precisam fazer a limpeza do sangue usado pelo corpo e geralmente usam sangue novo doado por impossibilidade de produzir em seu próprio corpo. Há os que podem precisar e usam o banco como garantia ao serem submetidos a cirurgias já programadas, e aqueles que sofrem acidentes e precisam ser cirurgiados às pressas, ou que perderam sangue.

Sangue é vida

Apesar de estar associado com morte, acidentes e dor, o sangue é o ícone da vida.

Publicidade

Sem sangue não há vida e, por isso, as religiões sempre tratam com muita sacralidade e reverência esse líquido precioso que trazemos em nossas veias.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, seria ideal que pelo menos 3% da população fizesse duas doações por ano. E por mais que exista necessidade de doadores, há uma série de impedimentos que faz com que uma parcela significativa da população não possa doar, por segurança e para garantir a qualidade do material colhido.

Essas proibições não só diminuem o número de doadores, como colocam em risco o equilíbrio sugerido pela OMS. Entre as proibições permanentes estão, por exemplo, as pessoas que tem ou tiveram teste positivo para HIV, hepatite após os 10 anos de idade, malária, doença de chagas, câncer, graves problemas no pulmão, coração, rins ou fígado, é diabético com complicações vasculares, tuberculose, elefantíase, hanseníase, calazar ou brucelose. E precisa ter mais de 18 anos, menos que 65 e mais de 50 quilos.

É importante que as pessoas não adoeçam para não ficarem impedidas de doar e para que não venham a precisar de doações. Se você pode doar, doe. Doar não dói, e gera vida.

Durante todo o ano os bancos de sangue recebem doações, mas, especialmente nas férias, os estoques baixam. Lembre-se que você não precisa doar seu sangue na sua cidade. Se estiver na minha, você pode fazer isso também. Então, agende no seu roteiro de férias: Doação de sangue. A vida agradece.