O sonho da professora de Porto Velho está próximo de se realizar. Sandra Maria Feliciano, de 51 anos, nascida em Bauru, SP, pode ser uma das 24 pessoas que serão enviadas para habitar Marte em 2022. Para isso deverá vencer seus concorrentes, pois ela está entre os 100 finalistas para integrar ao projeto Mars One.

Disputando com norte-americanos, europeus, africanos, dentre outros, a brasileira concorreu com mais de 200 mil inscritos. Dessas, 100 pessoas foram selecionadas e 40 farão treinamento intensivo e seletivo durante oito anos, de forma que restem apenas 24. O treinamento começará com preparação psicológica e englobará formação técnica em diversas áreas, a exemplo de engenharia e medicina.

Publicidade
Publicidade

Faz parte da última etapa o envio de grupos para diferentes países, com permanência de três meses, de forma a simular a convivência em Marte.

Está previsto o envio de satélite de comunicação e rovers (tipo de robô explorador) em 2016, de forma a verificar o local em que o grupo fará a colonização. No período de 2018 a 2020 serão enviados módulos com alimentação, água, oxigênio, painéis fotovoltaicos e demais equipamentos. Em 2022 seguirão os casulos - cada um abrigará um casal - possuindo cerca de 52m2, quarto, sala, banheiro, área de hidroponia e higiene.

A #Viagem tem por objetivo colonizar o planeta Marte e as 24 pessoas que irão (12 homens e 12 mulheres), não retornarão. Sandra é solteira e não possui filhos. Conterrânea do astronauta Marcos Pontes, desde os seis anos de idade diz possuir fascínio pelo espaço.

Publicidade

O projeto Mars One possui custo estimado de US$ 6 bilhões e foi financiado por várias empresas. A equipe responsável por iniciar a colonização de Marte tem a missão de produzir energia, oxigênio e comida. Os especialistas estão divididos: os coordenadores do projeto garantem sua viabilidade, mas os cientistas do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) acreditam que o grupo morrerá em poucos meses.

Segundo informações sobre o projeto, haverá um link de comunicação com o planeta terra, com delay (atraso) de 17 minutos. Funcionará como uma espécie de Big Brother e o diretor executivo da missão espacial, Bas Lansdorp, está procurando obter financiamento de canais de televisão do mundo todo para que possam transmitir o cotidiano dos primeiros habitantes de Marte. Certamente as emissoras alcançarão índices recordes de audiência. #Curiosidades