Arachis hypogaea L., esse é o nome do grão popularmente conhecido como amendoim. Ele é originário da América do Sul, incluindo o Brasil e suas fronteiras com o Paraguai, Bolívia e o norte da Argentina.

Para seu desenvolvimento, o amendoim necessita de alta quantidade de luz solar e de uma boa disponibilidade de água, nos dois primeiros meses de cultivo. Ele deve ser cultivado em regiões com temperaturas médias entre 20º e 30º, em um período de estiagem, pois, a planta não suporta baixas temperaturas e estações chuvosas.

Por que consumir o amendoim?

Pesquisas revelam que esse simples e saboroso grão, quando consumido, proporciona benefícios para a saúde, desencadeando efeitos positivos sobre o corpo, como: a prevenção do câncer, de doenças cardiovasculares, envelhecimento, estresse, auxiliando também na circulação, digestão e cicatrização.

Publicidade
Publicidade

Além disso, esse pequeno grão é significativo para a memória e afasta o mau humor, quando consumido em quantidade moderada. O amendoim é benéfico e por ser enriquecido com vitaminas A e E, zinco, proteínas, ferro, cobre e niacina, proporciona saciedade por um tempo estimado de duas horas.

Na composição do amendoim, há ácido graxo, que é o mesmo encontrado no azeite de oliva. O ácido graxo, ou seja, ômega 9, tira o colesterol do sangue e aumenta os receptores do fígado, utilizando o LDL, mau colesterol, para sintetizar os hormônios.

Embora saboroso, o amendoim tem que ser consumido com moderação, seja ela in natura, paçoca, amendoim japonês ou pé-de-moleque. O consumo indicado são 30 gramas do amendoim assado diariamente. Dentre as formas de consumo menos indicadas pelos nutricionistas estão: o amendoim frito e o amendoim com excesso de açúcar.

Portanto, mude seu estilo de vida, adote o amendoim na alimentação de forma moderada para que tenha uma vida mais saudável.

Publicidade

#Curiosidades

*As cascas do amendoim podem ser utilizadas na fabricação de plástico, gesso e até mesmo combustível.

*A colheita do amendoim ocorre em um prazo variável entre 100 a, no máximo, 180 dias de acordo com as condições climáticas e do cultivo.