O pesquisador Daniel Vallera e seus colegas da Masonic Cancer Center da Universidade de Minessota, nos Estados Unidos, desenvolveram um método eficiente para a cura do câncer. Através de genes existentes em pacientes, eles desenvolveram um novo medicamento que consegue se camuflar por entre as células cancerígenas, destruí-las e trazer de volta a saúde do paciente com câncer.

Tudo começou em junho de 2012, quando uma professora de física, Cynthia Cattell, foi diagnosticada com um câncer no sangue que era agressivo. Dali em diante, ela passou por uma rotina cansativa de quimioterapia, radioterapia e até mesmo dois transplantes de medula óssea.

Publicidade
Publicidade

Nada disso conseguiu resolver o problema por completo. Sabe-se que esses métodos são doloridos, como por exemplo é o caso da quimioterapia.

A partir desse episódio e claro do sofrimento que é para as famílias e para os próprios pacientes, o pesquisador Daniel Vallera e seus colegas puseram em andamento o projeto "câncer na mira". No verão do ano passado, o próprio já tinha em mãos aquilo que poderia salvar a vida das pessoas que sofrem desse mal através de uma simples pílula. Ele convidou seus colegas de trabalho e pessoas nessa situação, como a Cattell, para participarem de um pequeno ensaio clínico da droga. Dentro de um mês, em um único tratamento, essa pílula tinha encolhido o câncer em Cynthia Cattell em até 75% e, em um segundo tratamento, a deixou completamente recuperada.

"Graças a [esta droga], eu fiquei livre do câncer sem a necessidade de tratamento adicional", diz Cattell.

Publicidade

"Ele me deu a chance de recuperar a energia que eu precisava, agora posso voltar para minha própria pesquisa e trabalhar com meus alunos." completou. Segundo o INCA, existem mais de 100 tipos de cânceres no mundo. Essa pílula resolveu o problema da Cattell, mas não se sabe se ela consegue recuperar as pessoas de todos os outros tipos de câncer.

Sabe-se que a quimioterapia é cara e dolorida. Algumas pessoas dizem que até mesmo uma simples graviola, abundante no território brasileiro, poderia resolver o grande problema do câncer nas pessoas, mas nada ainda é oficial. Enquanto isso não acontece, resta torcer para que drogas como essa produzida por pesquisadores resolvam esse problema que assola a humanidade e é um dos grandes problemas desse século.