O famoso cafezinho pode ajudar na prevenção do desenvolvimento de doenças cardiovasculares, segundo estudo realizado e resultados divulgados em revista científica Heart. A pesquisa foi feita através de um estudo de caso em 25 mil pessoas que foram convidadas a beber doses moderadas de café todos os dias. Foram consideradas como doses moderadas a quantia de três a cinco xícaras de café (pequenas) da bebida.

Durante o desenvolvimento e andamento do projeto, os homens e mulheres foram submetidos a exames clínicos. Além disso, tinham também avaliação periódica de saúde ocupacional, que era realizada em suas empresas empregadoras por médicos especializados.

Os resultados apontaram que os trabalhadores que mantiveram a ingestão aconselhada tinham menor possibilidade de apresentar os sinais de entupimento de artérias nos exames, que é considerado é um dos primeiros sinais de doenças cardiovasculares.

O outro lado da história

Apesar do índice positivo nos resultados apresentados pela pesquisa, os estudiosos ainda afirmam que outros testes são necessários.

Existem pesquisas que apontam resultados que não são benéficos, como a alta dependência de cafeína por pessoas que costumam ingerir muito da bebida. É afirmado também que o café pode causar insônia e, quando ingerido em doses superiores às aconselhadas acima, pode provocar taquicardia e outros mal-estares. Outros estudos apontaram a relação entre o consumo e o aumento do peso. 

Contudo, esse resultado apresenta pontos positivos para os fãs e adeptos da bebida. Além da não obstrução das artérias, que foi notado em 100% dos participantes, foi observado também que as pessoas que ingeriram café tinham menor probabilidade de ter depósitos de cálcio em suas artérias.

É importante ressaltar que todos os pesquisados foram selecionados de acordo com seus perfis. Fatores como qualidade de vida e hábitos como fumar, beber, fatores genéticos e estilo de vida também foram levados em conta.

A porta-voz da Fundação Britânica do Coração, Victoria Taylor, apresenta-se animada com os resultados alcançados, mas, alerta que é necessários novos e mais aprofundados estudos. Além disso, é importante considerar que a pesquisa foi feita na Coréia do Sul, onde os hábitos alimentares e estilo de vida diferem bastante do ocidente.   #Culinária