Projeto da Agência Nacional de Saúde, Ministério da Saúde e do #Hospital Israelita Albert Einstein divulgaram nesta sexta-feira (27), no Rio de Janeiro, os hospitais contemplados com projeto de incentivo ao parto normal. A iniciativa visa a valorização dos partos normais no Brasil. Os representantes receberam apoio do Institute for Healthcare Improvemente, dos EUA.

Em fase inicial, o projeto será implantado em hospitais particulares e da rede pública de saúde do Brasil, a ação é intitulada 'Parto Adequado'. A iniciativa busca aperfeiçoar os profissionais das redes de saúde para realizar esse tipo de procedimento, além de melhorar a qualidade dos locais de atendimento, visando o conforto das gestantes.

Publicidade
Publicidade

Na primeira fase do projeto serão contemplados 23 hospitais particulares, onde podemos destacar a Casa de Saúde São José e a Perinatal da Barra, as duas instituições possuem sede no Rio de Janeiro. A rede pública de saúde foi contemplada com 5 hospitais. Os critérios para a escolha dos hospitais que oferecem atendimento pelo SUS, foram os que tiveram uma média de mais de mil partos anuais, além de um grande número de percentuais de cesarianas.

Outros 16 hospitais que não foram contemplados pelo projeto receberam videoaulas e materiais informativos. Em São Paulo, três maternidades irão apoiar o projeto, divulgando suas experiências com o parto normal. São instituições onde os partos normais tiveram um crescimento de mais de 100%, diminuindo custos e aumentando a remuneração dos profissionais da área da saúde.

Publicidade

O projeto terá início a partir de maio, onde será avaliado por um período de 18 meses.

Arthur Chioro, Ministro da Saúde, relatou que deverá haver uma melhoria na relação médico-paciente, e ainda complementou que as cesáreas tiveram um ponto cultural, e que por isso precisa buscar meios de incentivar as gestantes a optarem pelo parto normal, mas observando que as cesáreas ainda são fundamentais em diversas situações.

O projeto prevê a melhoria nos recursos humanos, a dedicação dos profissionais da saúde, tanto da equipe como da gestante, e a verificação aplicada no atendimento das grávidas e dos recém-nascidos, desde pré-natal até o pós-parto.

O Doutor César Eduardo Fernandes, que é diretor científico da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo, ressaltou que os hospitais não estão adequados para fazerem o parto normal, e acrescentou que qualquer incentivo para o aumento de partos normais no Brasil é válida. #Governo