Segundo divulgado hoje (6) pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, em janeiro e fevereiro deste ano, foram notificados um aumento de 139% casos de dengue, esses dados foram comparados aos mesmos períodos do ano passado.

Em 2014 foram registrados, em janeiro e fevereiro, cerca de 73,13 mil casos de dengue, que em comparação com dados deste ano, no mesmo período, foram registrados 174,67 mil pessoas.

Os dados foram apresentados em um evento, onde estavam presentes mais de 600 diretores e gerentes clínicos, sendo responsáveis pelas Unidades Básicas de Saúde, sediada no município de São Paulo.

As informações apresentadas no evento, segundo o ministério da Saúde, revelam que os números preliminares de óbitos, registros com sinais de alarme grave e casos graves diminuíram 28%, evidenciando 555 casos.

Publicidade
Publicidade

Com relação a 2014, foram registradas 771 casos.

Em relação aos óbitos decorrentes da dengue, os números revelam que houve uma redução em janeiro e fevereiro deste ano, ou seja, uma queda de 37%, sendo registrados 39 casos. Em 2014, no mesmo período, foram registrados 62 casos de morte por dengue.

Quanto aos casos graves, em 2015, nos dois primeiros meses do ano, houve uma redução de 17,2%, indicando 77 casos registrados, em comparação ao mesmo período de 2014, que registrou 93 casos graves de dengue.

Foram repassados R$ 150 milhões à municípios e estados, a verba foi destinada pelo ministério da Saúde, com a finalidade de promover o combate aos mosquitos transmissores do chikungunya e da dengue.

A ocorrência de chikungunya é preocupante, uma vez que é o mesmo mosquito que está circulante entre as pessoas, e que para transmitir a doença, falta apenas ele picar uma pessoa com a doença.

Publicidade

A chikungunya é uma doença muito mais dolorida, já que pode se prolongar por seis meses ou mais. Apesar da gravidade ser bem parecida com a dengue, sua diferença é a dor prolongada e o grande sofrimento a pessoa que o contrai.

Destes R$ 150 milhões repassados, R$ 28,2 milhões são destinados para as secretarias estaduais e os R$ 121,8 milhões serão destinados às secretarias municipais de saúde, para que sejam feitas as devidas melhorias no combate aos transmissores.