Grande parte das mulheres sofrem todos os meses com os sintomas da TPM. Algumas chegam até a cogitar interromper o fluxo menstrual por causa disso. O pensamento é o seguinte: Sem a menstruação não ficará incomodada com os sintomas desagradáveis, mas há controversas. Especialistas defendem que a menstruação funciona também como um indicativo para avaliar como está a saúde da mulher. O bom funcionamento do organismo feminino depende da sintonia entre vários sistemas.

Então, a ausência pode indicar que existe uma falha em algum ponto. As falhas podem ser em estruturas responsáveis por reações orgânicas situadas no cérebro, ovários, útero, glândulas endócrinas e tireóide.

De acordo com uma especialista do ambulatório de Tensão Pré-menstrual, do Hospital das Clínicas de São Paulo, não tem um método que seja tão eficaz a ponto de interromper totalmente o fluxo - muitas mulheres apresentarão pequenos sangramentos irregulares - e ainda tem o perigo dos efeitos colaterais.

Publicidade
Publicidade

Podem ocorrer um aumento do apetite, retenção de líquidos, inchaço, alterações do humor, dores de cabeça, calores e desânimo. Esses medicamentos bloqueiam a produção do hormônio feminino estrogênio, isso provoca um comprometimento do funcionamento de algumas partes do corpo, como a pele, ossos, cabelos, mamas e afeta o humor.

O resultado da pesquisa realizada pela ginecologista Mara Diegoli constatou que algumas pacientes apresentaram hemorragia contínua e precisaram parar com o tratamento, enquanto outras tiveram cólicas, irritabilidade, dores de cabeça, entre outros sintomas. Nenhum dos métodos testados bloquearam o fluxo sanguíneo, apenas provocaram efeitos colaterais, como aumento de peso e diminuição da libido. Na pesquisa, as voluntárias foram separadas em grupos e se submeteram a tratamentos com injeção trimestral de progesterona, implante de progesterona e pílulas anticoncepcionais de uso contínuo.

Por todas essas consequências, as recomendações de suspensão do fluxo são liberadas por alguns médicos somente em casos extremos, em que as pacientes apresentem convulsões durante a menstruação e problemas de coagulação sanguínea.