Cientistas estão envolvidos com projetos para evitar a azia e o mal estar, chamada no jargão médico por GRDE - Gastroesophageal Reflux Disease. Pessoas mais simples preferem utilizar a sigla tupiniquim - DRGE - Doença do refluxo gastroesofágico. O ardor começa nas entranhas e na medida em que sobe até a garganta, parece queimar. Conhecida nos meios leigos como azia, doença do refluxo, a queimação que ela traz até o peito, em local atrás do externo, que pode dar a pessoa a sensação de estar tendo um enfarto, é ácida.

Há casos em que a pessoa não consegue segurar o refluxo e para não se afogar, acaba por expelir os resíduos.

Publicidade
Publicidade

Há pessoas que não conseguem segurar o refluxo e outras que o contém a grande custo. O doutor Bennie Upchurch, gastroenterologista da Ohio State University Wexner Medical Center, aponta para o estudo apresentado em 2005 na revista Clinical Gastroenterology and Hepatology, que apresenta o fato de que 14 a 20% dos adultos americanos tem DRGE. Estes números podem ser extrapolados para valores similares para a população brasileira, que depois da globalização acabou por aderir a parte da dieta americana, composta por hambúrgueres, pizzas, cachorros-quentes e outras coisas piores.

Para quem se interessa por como o organismo humano funciona, na parte superior do estômago há um anel que abre e fecha: o esfíncter esofágico. Se ele enfraquece ou não fecha completamente, o ácido estomacal ou bílis pode retornar para a garganta, segundo informa o NIH - National Institute of Health.

Publicidade

Curvar-se ou deitar são as ocasiões nas quais ela aparece com maior frequência. São sintomas: Dificuldade em engolir, tosse seca, nó na garganta, rouquidão, regurgitação do alimento e gosto amargo na boca. Obesidade, gravidez, asma, são complicadores em potencial. Sedativos, medicamentos de pressão, controle de natalidade e antidepressivos também podem agravar a situação.

Mas as consequências não param por ai, o transtorno maior é a evolução deste mal para um estado pré-canceroso, denominado esôfago de Barrett. É preciso e importante tomar cuidado, e se houver sintomas preocupantes, um gastroenterologista deve ser consultado. Ele saberá quais exames serão necessários. Fique atento a saúde, pois é um bem fácil de perder e difícil de ser recuperado. #Medicina