Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Sidney, na Austrália, constatou que tremores de frio podem ser igualmente eficientes na queima de energia, comparados a exercícios físicos de intensidade moderada. Segundo a BBC Brasil, as duas atividades convertem a gordura branca, tecido adiposo indesejado, na benéfica gordura marrom, que estimula a queima de calorias. A pesquisa foi coordenada pelo australiano Paul Lee, endocrinologista do Instituto de Pesquisas Médicas de Garvan, em Sidney, na Austrália, e aplicada nos Institutos Nacionais de Saúde (AH) em Washington, nos Estados Unidos.

O estudo expôs um grupo de indivíduos em uma sala refrigerada, para tremer de frio durante 10 a 15 minutos.

Publicidade
Publicidade

As mesmas pessoas também foram submetidas a uma hora de bicicleta em ritmo moderado, produzindo, nas duas ocasiões, a mesma quantidade do hormônio responsável por converter a gordura branca em gordura marrom. De acordo com a BBC Brasil, o experimento integra uma nova linha de descobertas relacionadas à gordura marrom, que voltou a atrair a atenção dos pesquisadores nos últimos tempos.

Como explica o Hype Science, durante a exposição ao frio e à atividade física, os níveis de irisin - hormônio produzido pelo músculo - e de FGF21 - produzido pela gordura marrom - sofreram aumento. A elevação no irisin, gerado por 10 a 15 minutos de tremores de frio, equivaleram a aproximadamente uma hora na bicicleta, ou seja, um sexto do tempo. O laboratório constatou que as células de gordura branca foram transformadas em gordura marrom pelo irisin e pelo FGF21 em um período de seis dias.

Publicidade

A pesquisa foi publicada na revista científica "Cell Metabolism", na qual o cientista explica a mecânica do corpo humano na queima de calorias. Segundo Lee, ao sentirmos frio, a primeira gordura a ser ativada é a marrom, pois queima energia e produz calor como forma de proteção. Quando esse tipo de energia é insuficiente, o músculo se contrai - ou treme - para gerar calor e proteger o organismo do frio. As conclusões do cientista apontam para a mesma direção de outras pesquisas que relacionam a queima de energia à exposição do indivíduo a baixas temperaturas. #Curiosidades #Dieta