Estudo comprova relação entre obesidade e câncer de mama.

Antes de tudo, é preciso que as mulheres saibam o que é o câncer de mama. Ele é um tumor maligno que se desenvolve nas mamas, surgindo como consequência de uma série de alterações que ocorrem no organismo feminino. As células passam a se dividir de forma descontrolada e os tumores surgem. Depois que é detectado seu tratamento é mais difícil. Quando detectado em fases avançadas seu efeito é fatal.

Não é incomum que algumas mulheres, devido à um elevado grau de desinformação, cheguem a deixar supurar o tumor, ocasião em que é muito tarde para evitar uma metástase.

Publicidade
Publicidade

A metástase corresponde a uma nova lesão tumoral a partir de outra, mas sem que haja continuidade entre as duas. Quando ela é detectada geralmente é um mau sinal para o paciente.

A importância dos cuidados leva muitas instituições de saúde a desenvolver pesquisas sobre o assunto. Uma das pesquisas recentes relatadas por um de seus coordenadores, o doutor Cesar Augusto Machado, foi desenvolvida pela Sociedade Brasileira de Mastologia. O foco da pesquisa foi buscar relacionamento entre a obesidade e o câncer.

Os sujeitos da pesquisa foram 190 mulheres, 68 das quais diagnosticadas com câncer e as restantes 122 ainda sem a doença. A pesquisa consumiu o tempo dos pesquisadores entre os anos de 2012 e 2014. A maioria das pacientes estava na menopausa, época mais propícia para o surgimento do câncer devido a uma grande série de mudanças hormonais sofridas pelas mulheres.

Publicidade

Os resultados foram recentemente publicados.

Eles permitiram estabelecer como regra que a obesidade aumenta as possibilidades de surgimento do câncer de mama.

O pesquisador relatou também, que já sabiam de resultados obtidos em outros países, mas era interessante efetuar a verificação em mulheres brasileiras, com os resultados já esperados, confirmados nas estatísticas desenvolvidas.

Outro resultado importante foi verificar que alguns índices obtidos internacionalmente não são adaptáveis à mulher brasileira. O índice de Gail, fator de medida para indicar riscos de câncer de mama aceitos internacionalmente, não são totalmente aplicáveis à mulher brasileira.

A partir daí o pesquisador reiterou a necessidade de novas pesquisas para que este e outros índices possam ser, então, adequados às condições das mulheres de nosso país. Assim ganham destaques as iniciativas de orientar as mulheres para o desenvolvimento da dietoterapia, um novo conceito em controle alimentar, que pode evitar a obesidade e, assim reduzir as possibilidades de câncer na mama. Acompanhe algumas famosas que podem indicar regimes mais indicados para evitar este problema. #Medicina