Cientistas da Universidade da Lanzhou, na China, publicaram dados de uma pesquisa recente sobre o consumo de cerveja. Eles afirmaram que o uso regular desta bebida pode auxiliar na prevenção de doenças neurológicas, tais como Alzheimer e o mal de Parkinson. Os dados da pesquisa foram publicados na revista Journal of Agricultural and Food Chemistry. Eles concluíram que as pessoas que tomam cerveja podem ajudar a diminuir a progressão dessas doenças.

Os trabalhos desenvolvidos em laboratório conseguiram isolar uma substância chamada de xanthohumol,  que possui uma ação antioxidante em nosso organismo. Este composto pode ser facilmente detectado em vários tipos de plantas secas e que são amplamente utilizadas para a fabricação de muitos tipos de bebidas fermentadas, onde a cerveja está incluída também.

Publicidade
Publicidade

O xanthohumol tem chamado a atenção dos pesquisadores desta área, pois a sua ação bioquímica específica estende-se ao seu poder antioxidante, possui um efeito cardio protetor, uma ação anti-inflamatória, ajuda a combater o excesso de peso e foi detectado uma propriedade anticancerígena.

Os pesquisadores realizaram testes em ratos, submetendo suas células nervosas a um estresse oxidativo. Eles utilizaram as células neuronais pelo fato das mesmas não apresentarem quase nenhuma capacidade de regeneração. Além disso, os estudos mostram que as doenças neurológicas ocorrem pelo processo de oxidação que as células nervosas sofrem com o passar do tempo. O xanthohumol apresentou um ação bastante eficaz em bloquear esse efeito oxidativo.

O efeito anticâncer foi avaliado em virtude de um estudo prévio publicado no Canadá, onde homens que consumiam cerveja apresentaram uma menor taxa de casos de câncer de próstata.

Publicidade

Entretanto, os pesquisadores afirmam que aumentar o consumo de cerveja não levaria a um efeito protetor, pois o aumento do consumo de álcool pode levar a uma maior degeneração das células nervosas e um maior número de casos de demência.

O isolamento desta substância, conforme explicam os cientistas, pode levar ao desenvolvimento de medicamentos que teriam um efeito protetor contra esses tipos de doenças. #Terceira Idade #Dicas #Doença