Pesquisadores da Universidade da Pensilvânia, na Escola de #Medicina de Perelman publicaram um estudo científico, afirmando que conseguiram isolar em laboratório uma proteína específica capaz de frear o crescimento normal de tumores cancerígenos.

Os estudos foram desenvolvidos a partir da análise de uma mutação sofrida por um tipo específico de gene denominado BRAF. A alteração sofrida por este gene estimula diretamente o crescimento e o aparecimento de tumores em diversas partes do corpo, principalmente na pele. Este gene está ligado diretamente ao aparecimento de um tipo de câncer de pele muito comum chamado de melanoma.

Publicidade
Publicidade

Este tipo de tumor é bastante agressivo e uma vez desenvolvido, possui a capacidade incomum de rapidamente invadir outros órgãos. É um tipo de tumor muito comum nas regiões tropicais, onde a incidência de raios solares é bastante alta, principalmente a radiação ultravioleta.

No entanto, os pesquisadores perceberam que juntamente com  a mutação deste gene, há a produção de uma proteína denominada pelos cientistas de P-15. Após alguns experimentos, percebeu-se que esta proteína possui a capacidade incomum de barrar o desenvolvimento de células cancerígenas. Verificou-se ainda que as células que originam o tumor voltavam a crescer de maneira desordenada quando este composto era retirado. Na sua presença, o mecanismo de crescimento era reduzido e até mesmo suprimido.

A identificação desta proteína e a compreensão de seu mecanismo de ação, segundo os cientistas, é que leva aqueles pequenos sinais que a maioria da população tem na pele a não evoluir para a formação de um melanoma.

Publicidade

A sua presença já era conhecida, entretanto os cientistas puderam verificar a sua interação com outra proteína, a P-16, cuja presença já estava sendo bastante estudada. O mecanismo de interação entre estas duas proteínas, segundo os estudos que foram publicado até agora podem levar também ao funcionamento do mesmo processo de supressão do crescimento tumoral.

Agora, os cientistas trabalham intensamente para uma maior compreensão dos mecanismos de desenvolvimento do melanoma e quais as possíveis reações da presença da proteína P-15 quando estiver na presença de outros tipos de tumores. #Doença #Tratamento