Cientistas dos Estados Unidos e da Alemanha afirmaram que pode existir micro-organismos enormes e antiquíssimos em Titã, maior lua de Saturno, que possui em média -180ºC e é, frequentemente, chamada de "lua-planeta".

Em Titã, não há água em estado líquido, nem dióxido de carbono. Além disso, é um planeta muito frio, impossível para um ser humano habitar. Lá, o metano é, em estado líquido, abundante como a água é na Terra. A lua possui muitos lagos de metanos. É também o principal e o maior satélite natural de Saturno, sendo o segundo maior de todo o sistema solar.

Para se ter uma ideia de seu tamanho, Titã chega a ser 50% maior do que a nossa lua, e possui lagos gigantescos de hidrocarbonetos e vulcões gelados.

Publicidade
Publicidade

O metano em estado líquido se comporta como a água na Terra, já a chuva de Titã, possui um ciclo interminável, evaporando e chovendo a todo momento.

Os pesquisadores estão analisando as diversas possibilidades de composição de seres vivos e eles chegaram a conclusão que os organismos que poderiam existir em Marte teriam peróxido de hidrogênio como líquido intracelular e a lua Titã baseadas em hidrocarbonetos.

Os seres vivos dessa lua, segundo pesquisas realizadas por cientistas, seriam baseados na química dos hidrocarbonetos. A gélida atmosfera faria com que esses organismos habitáveis dessa lua tivessem metabolismos muito lentos, células tremendamente grandes e vidas mais longas do que as da Terra.

Um dos autores do estudo, Dirk Schulze-Makuch, afirma que uma descoberta desse porte seria uma das maiores descobertas da historia da humanidade, pois também provaria que, finalmente, não estamos sozinhos no universo, sabendo que existe vida extraterrestre em um ambiente hostil como este de Titã, mas que pode abrigar outros tipos de vidas, que não se baseiam apenas em água e oxigênio.

Publicidade

Uma descoberta como esta também impactaria e ampliaria ainda mais os horizontes em busca de vida em outros planetas, porque, atualmente, os satélites estão rastreando apenas em zonas habitáveis.

A Sonda Huygens foi a única a fazer um pouso nesta lua em janeiro de 2005, porém, como havia muito nevoeiro, as imagens não ficaram nítidas. #Natureza #Curiosidades #Blasting News Brasil