Os jovens que gostam de levar uma vida desregrada, sem se preocupar com a alimentação e com a saúde, apenas sob o pretexto de serem jovens, devem começar a tomar um pouco mais de cuidado. Estatísticas recentes apontam um largo crescimento em problemas no coração e mostram que os brasileiros, novos ou velhos, estão deixando a saúde em segundo plano.

Conforme indica estudo realizado pelo Ministério da Saúde, as doenças cardiovasculares são diretamente responsáveis por 29,4% das mortes registradas no espaço de um ano no Brasil. E engana-se, profundamente, quem insiste na tese de que a primeira consulta a um especialista deve ser feita apenas por volta dos 40 anos.

Publicidade
Publicidade

Atualmente, o Brasil amarga a incômoda colocação entre os 10 países com os maiores índices de mortes por problemas no coração. Segundo Humberto Freitas, cardiologista da Rede de Hospitais São Camilo, do Estado de São Paulo, esse tipo de doença não escolhe idade e pode colocar até mesmo a vida dos adolescentes em risco.

“Quando falamos de jovens até 20 anos de idade, os principais problemas nesta área que podem ser observados são as cardiopatias congênitas, que são anomalias na formação do coração que acabam sendo criadas enquanto o feto ainda se desenvolve no ventre da mãe, de modo que o paciente não tem culpa alguma”, revela.

No caso citado por Freitas, é comum que se observe sintomas bem nítidos desde os primeiros dias do jovem até a adolescência. Coloração azulada na pele, cansaço e fadiga acima da média e ausência de ar são algumas das características que podem aparecer tanto na infância quanto na fase adulta inicial.

Publicidade

Por outro lado, também é frequente na #Medicina que pacientes que a vida inteira tiveram um coração saudável passem a apresentar problemas por alguns hábitos negativos que venham a cultivar. Nesse caso, a doença pode se agravar já a partir dos 30 anos, como explica Freitas:

“Tabagismo, diabetes, hipertensão, colesterol alto, sedentarismo e até mesmo a obesidade oferecem risco, pois podem proliferar o desenvolvimento de uma doença cardiovascular já que acumulam placas de gorduras nas artérias. Em decorrência disso, ocorrem isquemias, arritmias e dores no peito, que posteriormente podem virar um infarto agudo no miocárdio, ocasionando a morte”.

De qualquer forma, realizar consultas periódicas a um cardiologista e verificar situações que até podem parecer simples, como os batimentos cardíacos e a pressão sanguínea, é fundamental para que se possa manter uma vida saudável. E quanto mais cedo forem iniciados esses cuidados, bem maiores serão as chances de evitar problemas com o passar da idade.

Publicidade

“Um cardiologista clínico possui todas as condições, por meio dos exames, de verificar o quadro de saúde do seu paciente. Mesmo assim, manter hábitos dos mais saudáveis possíveis, especialmente no que diz respeito à prática de atividades físicas e esportivas, e procurar manter uma alimentação equilibrada, evitando sal e gordura demasiadamente, já dão uma enorme contribuição para a saúde do coração”, finaliza Freitas. #Alimentação Saudável