Um ato de desespero que leva a morte mais de 12 mil pessoas anualmente no Brasil e que segundo a Organização Mundial de Saúde, tornou-se um problema de saúde pública sem políticas de prevenção e que não é tratado com a preocupação que deveria pelas autoridades de saúde no Brasil.

Em números absolutos o Brasil ocupa a triste oitava posição no planeta no triste ranking liderado pela Ìndia, seguido pela China, Estados Unidos e Rússia.

Estimativas calculam que a cada 40 segundos há um suicídio no mundo e que 75% delas ocorrem em países de renda baixa.

Os estudos da OMS determinam razões diferentes que levam as pessoas ao suicídio.

Publicidade
Publicidade

Enquanto em países ricos a depressão e o abuso de álcool são os principais responsáveis, a pressão por problemas socioeconômicos lideram os motivos nos países em desenvolvimento.

O psiquiatra Geraldo Possendoro, professor de #Medicina comportamental na UNIFESP explica que em 90% dos casos de suicídio, a pessoa envolvida  já havia apresentado alguma #Doença psiquiátrica.

No Brasil o índice subiu 30% na faixa etária que vai dos 15 aos 29 anos e já é a terceira causa de morte entre a população economicamente ativa.

Os ingleses têm conseguido resultados muito bons na redução destes números com o programa de tratamento da depressão que visa determinar precocemente os sintomas em possíveis doentes.

A importância de se conversar sobre o assunto com uma pessoa que demonstra a intenção de tirar a própria vida, é defendida pela psiquiatra Alexandrina Meleiro da Associação Brasileira de Psiquiatria.

Publicidade

Ao se abrir com outras pessoas, ela se sentirá mais leve e poderá receber a orientação necessária.

Quando o assunto são os adolescentes, é importante que os pais estejam atentos as mudanças de comportamento que poderão demonstrar desde o uso de drogas ao bullying na escola. Nestes casos a busca de um especialista é imprescindível para a obtenção de um diagnóstico correto.

Por outro lado, muitos veem o suicídio assistido como uma forma humanitária de se tirar a própria vida, ato que é permitido em países como a Suíça ou o estado americano do Oregon. #Desemprego