Após a repercussão de várias notícias veiculadas na imprensa sobre a descoberta e a distribuição da "pílula do câncer", o Instituto de Química de São Carlos (IQSC), que pertence à Universidade de São Paulo (USP), veio a público apresentar esclarecimentos, e publicou em seu portal um FAQ com as perguntas mais frequentes sobre o caso.

A substância chamada fosfoetanolamina foi estudada e sintetizada de forma independente pelo Prof. Dr. Gilberto Chierice, do Instituto de Química de São Carlos. No entanto, hoje o professor Gilberto já está aposentado. Algumas pessoas tiveram acesso à substância em forma de pílula, por meio de doação do próprio professor, em ato de decisão pessoal, e utilizaram como automedicação.

Publicidade
Publicidade

Contudo, a Lei Federal sobre medicamentos (Lei no 6.360, de 23/09/1976) diz que as novas substâncias e os novos medicamentos descobertos em pesquisas só podem ser distribuídos mediante a prévia apresentação das devidas licenças e registros, expedidos pelos órgãos competentes determinados na lei (Ministério da Saúde e ANVISA).

Com a aposentadoria do Prof. Gilberto, não há mais nenhum cientista no IQSC, ou em qualquer lugar da USP, que possa dar informações sobre o uso da fosfoetanolamina. Os funcionários do IQSC, ou de qualquer outro Instituto da USP, também não possuem nenhuma informação.

Em caráter excepcional, a pílula está sendo produzida e fornecida em atendimento a liminares judiciais (apenas pessoas que entraram na Justiça, crendo que possuíam direito a esse tratamento alternativo para o câncer).

Publicidade

Entretanto, é preciso ter em mente que a USP não possui dados definitivos sobre a eficácia da fosfoetanolamina, mesmo porque, não existe um prontuário clínico das pessoas que consumiram a substância.

Além disso, existem inúmeros tipos de câncer, que precisam ser analisados caso a caso, sendo necessária a prescrição de um tratamento específico. O Instituto de Química de São Carlos também não dispõe de médico para orientar e prescrever a utilização, sendo que o medicamento ainda não possui uma bula.

Portanto, todo cuidado é pouco: o câncer é uma #Doença muito séria, e a automedicação deve ser evitada. O uso indevido de remédios sem o acompanhamento de um especialista pode causar graves consequências. #Medicina #Blasting News Brasil