Um cometa descoberto recentemente por um astrônomo amador da Austrália, Terry Lovejoy, deixou os cientistas do mundo intrigados. É que o Cometa nomeado de Lovejoy expele álcool e açúcar para o espaço, como se estivesse jogando cerca de 500 garrafas de vinho a cada segundo, de acordo com Nicolas Biver do Observatório de Paris, na França.

É a primeira vez que o álcool etílico, o mesmo tipo que constitui as bebidas alcoólicas, tem sido observado em um Cometa. Este também jorra um tipo de açúcar, de acordo com as novas observações de Biver, o autor principal de um artigo que foi publicado no dia 23 de outubro deste ano em ciências avançadas.

Publicidade
Publicidade

A equipe de Biver encontraram cerca de 21 moléculas orgânicas vindo do cometa. A NASA disse em um comunicado que a descoberta "reforça a evidência de que os cometas poderia ter sido uma fonte de moléculas orgânicas complexas necessárias para o surgimento da vida" na Terra.

Como os pesquisadores na Terra determinaram que o cometa era feito de álcool e açucar?

Os pesquisadores esperaram que o cometa chegasse mais perto do sol e ficasse muito quente, o que aconteceu em 30 de janeiro deste ano, quando o cometa Lovejoy fez sua maior aproximação do sol. Com isso, as moléculas irradiadas da Luz solar fizeram com que o material que flui para fora do cometa brilhasse em maior quantidade e frequências diferentes, e, através de analises feitas pelos pesquisadores, estes chegaram a conclusão de que se tratava, realmente, de álcool e açúcar.

Publicidade

Os cientistas usaram um radiotelescópio que mede 30 metros de diâmetro no observatório de Pico Veleta, localizado nas montanhas nevadas da Espanha, Sierra, para analisar as frequências e determinar que o cometa era parcialmente composto de álcool e açúcar.

O cometa Lovejoy, nomeado formalmente C / 2014 Q2, foi descoberto pelo astrônomo amador australiano Terry Lovejoy em agosto de 2014. No seu auge, era um dos cometas mais brilhante e mais ativo desde o cometa Hale-Bopp, que passou em 1997. O cometa ficou visível no céu até o início deste ano, mas, como este se afasta cada vez mais da Terra, fica agora mais difícil vê-lo no céu. #Natureza #Curiosidades #Blasting News Brasil