Desde os gregos antigos se faziam estudos sobre os métodos anticoncepcionais, mas foi somente em 1960 que o médico Gregory Pincus desenvolveu a 1ª pílula anticoncepcional combinada, assim ele é chamado de "o pai da pílula". Na década 60, então, aconteceu a revolução sexual feminina, onde muitas mulheres "descobriram" que poderiam ter orgasmo sem necessariamente ter a obrigação de ficarem grávidas. O curioso é que os métodos anticoncepcionais, à exceção da camisinha, são de obrigação de uso por parte das mulheres e daí vários cientistas da atualidade, mundo afora, têm se dedicado as pesquisas de desenvolvimento da pílula anticoncepcional masculina, como por exemplo no Japão.

Publicidade
Publicidade

Enfim, na última semana, pesquisadores japoneses anunciaram à imprensa que estavam relativamente cada vez mais se aproximando da grande descoberta da fórmula química da pílula anticonceptiva para o público masculino e isto graças ao auxílio de alguns camundongos de laboratório como cobaias.

O quadro técnico de pesquisadores e cientistas residentes na Universidade de Osaka conseguiu descobrir a possibilidade de simplesmente bloquear uma determinada proteína do esperma dos ratos, o que deixou os animais por algum tempo inférteis. Essa proteína é a calcineurina e foi restrita por meio da atuação de 2 inibidores químicos, que são eles a ciclosporina A e a tacrolimo ou FK506.

Masahito Ikawa liderou os cientistas japoneses, os quais ministraram doses de inibidores para os camundongos.

Publicidade

Aproximadamente 5 dias após os ratinhos machos terem recebido a 1ª dose de inibidor e ao copularem com as fêmeas, nenhuma dessas ratas ficaram grávidas, mas já depois de uma semana de abstinência dos inibidores da calcineurina nos corpos, os mesmos camundongos ficaram férteis novamente.

O mais importante é que tantos os ratos quanto os humanos machos possuem essa proteína em questão no esperma. Tudo isto leva os cientistas a acreditarem que os inibidores poderão funcionar igualmente com sucesso nos homens. Um outro facilitador para a pesquisa é que os bloqueadores químicos utilizados no estudo são muito fáceis de serem encontrados, pois também compõem os fármacos destinados as pessoas, auxiliando no evitar a rejeição de um órgão transplantado em uma pessoa qualquer.

Todavia as farmácias ainda não oferecem o tacrolimo ou ciclosporina como medicamento anticoncepcional para os homens em geral. O remédio anticonceptivo masculino necessita apresentar as dosagens corretas e parametrizadas pelos órgãos de saúde e agências de vigilância sanitária, o que pode durar muitos anos ainda para acontecer.

Esta pesquisa detalhada e demorada não considera todo o espectro de possíveis fatores negativos, efeitos colaterais e riscos da pílula nos corpos dos homens, mas apesar disso, os pesquisadores japoneses estão com uma perspectiva excelente, o que leva a comunidade científica a acreditar em uma possível e importante revolução no campo dos fármacos anticoncepcionais masculinos. #Inovação #Medicina #Comportamento