Joy Milne ficou viúva em junho deste ano. Seu falecido marido, que se chamava Les, morreu aos 65 anos. 20 anos antes, aos 45, foi diagnosticado com mal de Parkinson. Mas Joy afirma ter detectado mudanças no marido antes mesmo do veredicto médico. "O cheiro dele mudou, se tornou  mais almíscarado", afirmou ela a BBC.

Porém, ela só associou o aroma com a #Doença após passar a frequentar a instituição Parkinson's UK, e notar que os pacientes possuíam o mesmo cheiro que seu marido.

Durante uma conversa informal com pesquisadores do instituto, Joy acabou mencionando essa peculiaridade, o que os deixou bem intrigados. Seria incrível se ela realmente pudesse identificar a doença através de algum odor.

Publicidade
Publicidade

Mesmo com toda a tecnologia atual, não há um exame específico para o diagnóstico do mal de Parkinson. Para descobrir se realmente existia relação entre o cheiro e a doença, os pesquisadores resolveram fazer um experiência. 

Seis pessoas que tinham mal de Parkinson e seis que não tinham a doença participaram da pesquisa. Os voluntários usaram uma camiseta branca durante 24 horas. No fim desse prazo, as camisetas foram empacotadas e entregues à Joy. Através do cheiro contido nas camisetas, ela conseguiu identificar todos os que possuíam ou não a doença, num total de 12/12. O que deixou os cientistas boquiaberta. 

Depois de ter acesso a esses resultados, cientistas acreditam que os portadores do mal de Parkinson sofrem mudanças na pele, o que causaria o odor específico. Agora, eles pretendem achar a "assinatura molecular" responsável pelo cheiro e a partir daí, desenvolver um teste simples para diagnosticar a doença, através da coleta de amostras com o cotonete. 

A ONG Parkinson's UK passou a pesquisadores em Manchester, Edimburgo e Londres para realizar testes com 200 pessoas.

Publicidade

A descoberta de um teste simples, mas que pudesse diagnosticar o mal de Parkinson, seria um grande avanço da ciência. "Esse estudo pode mudar a vida de pessoas com Parkinson", diz Katherine Crawford, diretora da ONG.

Por enquanto, o diagnóstico da doença se baseia na observação de sintomas no decorrer do tempo, da mesma forma que James Parkinson fazia em 1817. #Curiosidades