Em parceria com o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH), o Brasil vem desenvolvendo desde 2007 a vacina contra quatro tipos de Dengue, #Doença transmitida pelo mosquito aedes aegypti. O vírus foi identificado nos Estados Unidos e transferido para o Instituto Butantã em São Paulo. 

Especialistas explicam que se desenvolverem a vacina somente contra o vírus tipo 1, o paciente que nunca contraiu a doença poderá se contaminar com o tipo 2, 3 e 4, e os sintomas poderão ser mais graves. A vacina foi testada nos Estados Unidos e aprovada. Ela deverá ser testada também no Brasil, onde há grande número de casos confirmados de #Dengue.

Publicidade
Publicidade

Em 2013, a vacina começou a ser testada no Brasil, com pacientes voluntários. Havia a previsão de que em 2015 a vacina fosse aprovada por aqui, o que não aconteceu.

No início deste ano, começaram os testes da segunda fase da vacina, em voluntários que tinham entre 18 e 59 anos, exceto mulheres grávidas. Foram vacinadas 300 pessoas. Os testes da vacina na América Latina e nos países da Ásia tiveram maior eficácia em pessoas com mais de 9 anos.

Fase final da Vacina

O Instituto Butantã já solicitou a antecipação da terceira fase, a final. Ela deverá ser testada em 17 mil voluntários em todo país, são pessoas com idade entre 2 e 59 anos. Os testes vão ser realizados em 15 centros do país. A Comissão Técnica Nacional de Bio segurança (CTNbio) já aprovou o início de testes clínicos da terceira fase da vacina, mas ainda falta a aprovação da Anvisa e da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP).

Publicidade

A vacina foi desenvolvida no Instituto Butantã e na Farmacêutica Sanofi Pasteur, que está em fase mais avançada, e teve a liberação comercial da vacina pela CTNbio, mas que ainda não pode ser lançada no mercado, pois aguarda a aprovação da Anvisa e da CONEP.

A  Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informa que o Brasil poderá ser o primeiro país a ter a vacina contra a Dengue, que deverá ser aprovada em breve. Pesquisadores informam que a vacina estará no mercado até 2018.  #Medicina