Neste sábado (02) começaram a valer as novas regras para usuários de planos de saúde individual e coletivo, entre as mudanças está a inclusão de teste rápido de sangue para diagnóstico da dengue e chikungunya e o aumento do número de consultas na área de fonoaudiologia, nutricionista, fisioterapeutas, psicoterapeutas, entre outras áreas.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) realiza uma revisão a cada dois anos na lista rol (uma lista de #Tratamento de cobertura obrigatória pelos planos de saúde), com base em critérios técnicos para incluir novos tratamentos.

Segundo a Gerente Geral de Regulação Assistencial da ANS, Raquel Lisboa “Para ser incluída no rol, é preciso que a nova tecnologia tenha um nível de evidência científica satisfatória para comprovar que é segura, que tem eficácia e que vai trazer benefícios aos pacientes.

Publicidade
Publicidade

Também consideramos questões epidemiológicas, como no caso da sorologia para dengue, por exemplo".

Neste começo de ano, a obrigatoriedade incluída na lista teve o apoio do Comitê Permanente de Regulação da Atenção à Saúde e de consulta pública feita pela ANS. Com estas novas mudanças serão 50,3 milhões de beneficiários dos planos de saúde e 21,9 milhões com planos exclusivamente odontológicos.

Sobre o aumento no plano de saúde devido a mudança será muito pouco comparada aos benefícios oferecidos, disse Raquel Lisboa “Nós fazemos a avaliação a posteriori para saber o impacto das mudanças no preço dos planos de saúde, e só o rol costuma ficar em torno de 0,5 a 1%”. Informou.

 Algumas mudanças

 As novidades serão o tratamento de implante de monitor de eventos (looper) utilizado para diagnosticar a perda de consciência, o implante de cardiodesfibilador multissitio, o implante de prótese auditiva, o aumento de sessões com fonoaudiólogos - que passa de 24 para 48 sessões, as consultas com nutricionistas passam a ser de 12 sessões comparada as seis oferecidas anteriormente e consultas com psicoterapias, que teve o aumento de 12 para 18 sessões.

Publicidade

      #Família #Organização Mundial de Saúde