Um assunto polêmico tem causado discordância de opiniões em grupo de pessoas que debatem  sobre o aborto legalizado para os casos de microcefalia no Brasil.

Juiz que já autorizou diversos abortos em casos similares ao quadro que a microcefalia causa aos bebês defende que a questão deve ser analisada específica e detalhadamente. É possível conseguir na justiça o direito ao aborto, no caso de doenças como anencefalia (doença que impede o desenvolvimento cerebral do feto) e outras doenças raras em que há a previsão de morte do bebê. Porém, deve haver a comprovação médica atestando que a doença será fatal para o bebê, por meio de de três laudos médicos, além de um parecer favorável do Ministério Público.

Publicidade
Publicidade

Alguns membros de conferências, federações e até fóruns ligados à religiões já se posicionaram radicalmente contra a ideia de aborto, mesmo nesses casos específicos em que a doença impede que o feto se desenvolva.

Atualmente, segundo a lei brasileira, é permitida a interrupção forçada da gravidez nos casos de estupro, nos casos em que a gestação ofereça claro risco de vida para a mãe e, mais recentemente em 2012, o aborto para fetos diagnosticados com anencefalia passou a ser permitido se todas as exigências legais forem respeitadas.

O debate está ganhando força nas reuniões de entidades que tratam do assunto e está ganhando cada vez mais notoriedade na medida em que são divulgados estudos que ligam a doença da microcefalia ao Zika ,que pode ser transmitidos por mulheres grávidas ao seu filho durante o período da gestação.

Publicidade

O #Zika Vírus é transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti, que também transmite o vírus da Dengue e da Febre Chikungunya. O Brasil está enfrentando mais uma epidemia do mosquito, porém pesquisas indicam que os casos ficam mais frequentes nas estações mais quentes do ano e nos quais as chuvas são predominantes. Dados atualizados indicam que o país já sofre com mais de três mil casos suspeitos de microcefalia, que teriam sido transmitidos através do vírus Zika. #Dengue #Organização Mundial de Saúde