Uma mineira de Belo Horizonte, está internada no #Hospital Biocor e necessita de 17 bolsas diárias de sangue para continuar o tratamento de #Doença rara. Como a demanda de sangue do hospital é pequena, Fabiana Paula Ravaiane, 41 anos, conta com a ajuda de amigos para conseguir as 17 bolsas de sangue.

Fabiana foi diagnosticada com a doença Síndrome Guillain-Barré, que causa paralisia e afeta o sistema nevoso e faz com que ela necessite do plasma sanguíneo para o tratamento da doença. A doença rara pode estar associada ao zika vírus, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue e a chikungunya.

Publicidade
Publicidade

Porém, no caso de Fabiana, os médicos descartaram que a doença tenha relação com o zika vírus. A doença afeta o sistema respiratório, nervoso e paralisa partes dos membros. Fabiana não consegue movimentar a parte inferior do corpo, como quadril e pernas, porém os movimentos podem voltar com o decorrer do tratamento.

Fabiana está consciente e disse que está confiante em sua melhora. Ela sabe dos riscos que a Síndrome de Guillain-Barré pode trazer, mas não perde a esperança.

Tratamento da Síndrome Guillain-Barré

A doença não tem cura, porém, existem tratamentos que ajudam o paciente a se recuperar dos traumas causados pela doença.

O tratamento da Síndrome Guillain-Barré, chamado de Plasmaferese, consiste em retirar o sangue do corpo do paciente e colocá-lo em uma máquina, que elimina os anticorpos do sangue e depois de eliminados, o sangue é transferido novamente para o paciente.

Publicidade

Outro método usado para a recuperação do paciente é o uso de altas doses de imunoglobulina para eliminar os anticorpos que causam inflamação dos nervos. O tratamento pode durar de 10 a 30 dias, dependendo do estágio da doença.

Doação de sangue

Fabiana conta que quando precisou de sangue, o Hospital Biocor, referência da cidade de BH, tinha apenas 12 bolsas de sangue em seu estoque,e que precisou de mais cinco no primeiro dia do tratamento. Ela então pediu ajuda a amigos e parentes. “Nestas horas, vejo o quanto uma doação de sangue é importante”, disse Fabiana. “Eu nunca pensei em ser doadora, agora vejo o quanto é importante ser”.

As vidas de muitas pessoas dependem de sangue para continuar a viver, mas nem sempre se encontra pessoas dispostas a doar seu sangue e salvar vidas.

Se você sente vontade de ser doador, procure o hospital mais perto de você e verifique se você se encaixa nos requisitos para ser um doador de sangue. Assim, sua boa ação estará salvando vidas.