Segundo informações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Zika vírus atualmente mais temido por gestantes, se espalhará por todo o continente americano. Até agora, mais de 21 países (incluindo o Brasil) foram afetados pela #Doença. A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas, integrada à OMS) ressalta que a ausência do mosquito vetor Aedes aegypti no Chile e no Canadá será o fator responsável pela ausência da manifestação da doença nesses países. A OMS informa que a falta de imunidade contra a doença será um acelerador para a rápida e continua disseminação do vírus no continente americano. 

Transmissão 

Recentemente, cientistas vem tentando provar que a transmissão do vírus possa também ocorrer através do ato sexual.

Publicidade
Publicidade

Até agora, nada foi confirmado e um caso isolado tem sido utilizado como embasamento para o estudo. 

Sintomas 

Aparecendo de dois a sete dias após a picada do inseto, os sintomas incluem febre, dor nas articulações e músculos, erupções cutâneas, urticária e por vezes conjuntivite. 

Microcefalia 

Mais de três mil casos de microcefalia em bebês estão sendo investigados no Brasil. A suspeita é de que o vírus é capaz de causar alterações em nível genético, antes mesmo do nascimento dos bebês, o que traz mais uma preocupação por parte das autoridades competentes. 

O Ministério da Saúde também informa que, em boa parte dos casos (cerca de 80% das infecções pelo zika vírus) são assintomáticas e que, assim como tantas doenças já conhecidas, esse é um grande desafio quando se trata de diagnosticar o paciente. 

Para evitar picadas, especialistas recomendam utilizar repelentes à base de extratos naturais, reduzir ao máximo o acúmulo de água em jardins e terrenos amplos e aplicar telas em janelas e portões.

Publicidade

É necessário lembrar que o mosquito responsável pela transmissão da doença é o mesmo mosquito que causa a #Dengue através da picada, o famigerado Aedes aegypti. Os procedimentos para a contenção do desenvolvimento de mosquitos devem ser realizados periodicamente e em cooperação em bairros e vizinhanças.

#Organização Mundial de Saúde