As gêmeas siamesas de cinco meses, Júlia e Fernanda Neves, nasceram na Bahia. De acordo com o portal de notícias G1, as irmãs estão sendo submetidas a cirurgia de separação, nesta quarta-feira (13) no Hospital Materno Infantil (HMI) na cidade de Goiânia. O HMI é referência neste tipo de cirurgia. Estima-se que o procedimento cirúrgico pode durar aproximadamente nove horas.

Saibam mais sobre a cirurgia de separação das irmãs siamesas

Segundo as informações repassadas pela assessoria de imprensa do Hospital Materno Infantil, as gêmeas entraram para o bloco cirúrgico as 8h20 desta manhã e a cirurgia começou 9h15.

Uma equipe de 15 profissionais experientes, está trabalhando em conjunto na cirurgia, entre eles, cirurgiões pediátricos, anestesistas, ortopedistas, médicos intensivistas, cirurgiões plásticos, cirurgiões vasculares, pediatras, enfermeiros e um cardiologista. 

De acordo com o cirurgião Zacharias Calil, responsável pela cirurgia de separação, as gêmeas são ligadas pelo abdômen e compartilham o fígado.

Publicidade
Publicidade

Calil afirma que a cirurgia precisava ser feita o mais rápido possível, pois a Fernanda que é a bebê maior estava absorvendo os nutrientes da bebê menor Júlia. Por isso Júlia corria o risco de ficar subnutrida e não estava alcançando o peso ideal.

Complexidade da cirurgia de separação

Zacharias Calil afirma que toda cirurgia de separação de siameses apresenta enorme complexidade, já que é uma cirurgia de grande porte. Porém ele relata que o caso das irmãs Fernanda e Júlia é muito menos complexo do que dos irmãos Arthur e Heitor.

Arthur e Heitor eram ligados pelo tórax, abdômen e bacia. Os irmãos compartilhavam o fígado e a genitália, infelizmente Arthur não resistiu a cirurgia e morreu três dias depois.

Calil ainda ressalta que a equipe que vai atuar na cirurgia é bastante experiente, principalmente quando se trata da separação da união de siameses pelo abdômen.

Publicidade

Família das gêmeas siamesas

As meninas nasceram na cidade de Itamaraju no interior da Bahia. Em busca de tratamento adequado para as filhas, seus pais Valdenir Neves e Lindalva Nascimento de Jesus, decidiram se mudar para Goiás em agosto de 2015. Desde então as meninas estavam sendo preparadas para a cirurgia.  #Medicina #Tratamento