Na Alemanha, um grupo de biólogos conseguiu desenvolver um agente capaz de destruir o pró-vírus – DNA viral integrado no genoma de uma célula hospedeira – da maioria de células infectadas com o HIV-1, o tipo mais contagioso do vírus causador da AIDS.

O estudo foi desenvolvido pelos pesquisadores alemães da Faculdade de #Medicina de Technische Universidad de Dresden (no estado da Saxônia), do Instituto Heinrich Pette e do Instituto Leibniz de Virologia Experimental. De acordo com os pesquisadores, trata-se de uma enzima catalisadora de recombinação genética.

O projeto, chamado de Brec1, foi testado in vitro e em ratos que estavam infectados com células humanas.

Publicidade
Publicidade

Para os pesquisadores, um ponto importante é que não houveram efeitos secundários citotóxicos ou genotóxicos, assim, esse projeto se tornou um candidato que promete melhorar as terapias contra o HIV, uma vez que o agente elimina em mais de 90% os vírus nas células infectadas.

De acordo com os médicos, além das pessoas infectadas com o vírus HIV, pacientes que tem problemas que afetam o genoma também poderão tirar proveito dessa descoberta, disse o chefe do grupo de cientistas da Universidade de Dresden, Frank Buchholz.

Através do tratamento com os medicamentos antirretrovirais a medicina tem conseguido fazer o controle da multiplicação do vírus no organismo humano.

Atual terapia com antirretrovirais

O tratamento com antirretrovirais deve ser feito durante toda a vida do indivíduo com HIV, ele ingere esses medicamentos diariamente.

Publicidade

Esses medicamentos previnem a reprodução do vírus no corpo humano.

Ao seguir o tratamento com a adesão devida, o paciente pode ficar com carga viral indetectável em seu organismo, sendo necessário, por exemplo, fazer exames de sangue rotineiramente para poder verificar sua carga viral e seu nível de imunidade (medido pela quantidade de células CD4).

Com essa redução de carga viral em seu organismo, o indivíduo fica com o sistema imunológico similar ao de uma pessoa saudável, deixando de estar propenso às doenças oportunistas e lhe proporcionando mais qualidade de vida.

Efeitos colaterais

Os efeitos colaterais variam de acordo com o organismo, alguns pacientes podem desenvolver: diabetes, podem danificar os rins, os ossos, o fígado, além de alterações neuropsiquiátricas e alguns sintomas gastrointestinais. #Doença #Organização Mundial de Saúde