A Colômbia vive epidemia de zika tão grave quanto a brasileira. O país que possui uma população muito menor que a nossa já contabiliza mais de 30 mil casos da doença.

Uma diferença é notada entre os casos da epidemia de zika vírus na Colômbia para a brasileira: A preocupação por lá é com os altos casos da síndrome de Guillain-Barré (doença rara que compromete o sistema neurológico).

No Brasil a preocupação é com o grande aumento dos números de casos de microcefalia (deficiência, antes rara, que acomete o desenvolvimento cerebral dos bebês ainda no ventre materno).

Embora os cientistas não tenham dado certeza da ligação entre a sídrome de Guillain-Barré e o #Zika Vírus, a população das regiões mais afetadas da Colômbia seguem em pânico com o aumento dos números de casos da doença.

Publicidade
Publicidade

Aos 22 anos de idade, Fabian Medina foi acometido pela síndrome de Guillain-Barré, encontra-se em tratamento intensivo na maca de um hospital da Colômbia e sua capacidade muscular está assemelhada a de um idoso aos 90 anos.

Fabian respira a duas semanas com a ajuda de aparelhos, ficou em terapia intensiva por duas semanas e segundo os médicos, se os procedimentos não fossem adotados em tempo, dificilmente ele estaria vivo.

A mulher de Fabian (Karen), que está grávida, também foi vítima do zika vírus, mas nela felizmente os sintomas da doença foram considerados 'amenos'. Ainda não se tem ideia se o desenvolvimento do seu bebê foi afetado pela doença.

"Tenho medo que o desenvolvimento do meu filho seja afetado por essa doença. Rezo para que nada de ruim aconteça com ele, estou bastante assustada", finalizou a esposa de Fabian.

Publicidade

No Brasil os casos de microcefalia só aumentaram desde o início do surto da doença. No último boletim informado pelo Ministério da Saúde, foram notificados 4783 casos suspeitos da má formação que prejudica o desenvolvimento cerebral dos bebês.

Desde o último fim de semana, as forças armadas entraram no combate ao aedes, principal meio de transmissão do zika vírus e suspeito de desenvolver a síndrome de Guillain-Barré em alguns casos. #Dengue