Acumuladores compulsivos ou acumulação patológica, também conhecida como síndrome da miséria senil, ou síndrome de Diógenes (Diógenes era um mendigo que vivia na rua e guardava objetos sem valor), é uma perturbação que leva a pessoa acumular objetos que muitas vezes pode ser até proveniente do lixo.

É desconhecida por muitos, mas está presente em alguns lares de todo mundo. Esta síndrome impede a pessoa de realizar tarefas do dia dia, diminui a mobilidade, interfere nos hábitos alimentares e da saúde, sua casa é desorganizada e cheia de objetos sem função.

O acumulador passa uma imagem de uma vida normal, até que adentrem dentro de sua casa.

Publicidade
Publicidade

Geralmente junta revistas, livros, ferramentas, recipientes, metal, eletrodomésticos e muitos outros objetos.

Na fase avançada da #Doença, acumulam objetos sujos com odores fétidos,  facilitando a entrada roedores e insetos na residência. A vontade de comprar, recolher, amontoar e acumular é incontrolável. 

Os  acumuladores também podem acumular animais de estimação, sem limites e sem se preocupar com a higiene ou saúde dos animais e das pessoas que vivem na casa.

Esta doença inicia de forma lenta e vai evoluindo progressivamente, os pacientes ficam isolados, deprimidos e muitas vezes não conseguem cuidar de si.

Um acumulador não pode ser confundido com um colecionador, já que este guarda objetos específicos com muito apego para vendas ou trocas, Já o acumulador junta objetos de forma exacerbada, que outras pessoas jogaram no lixo.

Publicidade

Sinais importantes que indicam acumulação compulsiva

  • Recolhem objetos que os vizinhos não querem mais;
  • Não têm capacidade de usar a casa para a finalidade pretendida (cozinha para cozinhar, banheiro para higiene pessoal e quarto somente para dormir);
  • Amontoam objetos de valores juntos com sucatas;
  • Jornais e revistas estão empilhados pela casa.

Causas

É uma perturbação mental que não nasce com as pessoa acontece por diversos fatores, morte de um familiar, perdas financeiras, conflitos pessoais, familiares e desestrutura familiar; como separação. A Síndrome acontece mais em idoso, porém pessoas mais jovens podem ser acometidas pela doença, principalmente pessoas com esquizofrenia e Transtorno obsessivo compulsivo (TOC).

Lidar com o problema

Para o acumulador não existe problemas com sua saúde, dificilmente admite que guarda objetos em excesso, mas achar que não está doente, já é um sintoma da doença.

Lidar com o acumulador não é uma tarefa fácil, exige compreensão e paciência. A limpeza da casa não é o melhor a fazer, o acumulador irá sentir uma sensação de perda e vazio muito grande e acumular tudo de novo. 

O melhor caminho é procurar ajuda de um profissional, pois a tendência da doença é evoluir cada vez mais. O diagnóstico rápido e correto evita um acúmulo maior de objetos e/ou animais, geralmente é feito por um Médico da família ou um Psiquiatra.

  #Tratamento