Até 2018 as empresas fabricantes de alimentos devem banir de seus produtos a gordura hidrogenada ou gordura trans. Esta é a ordem anunciada pela Administração de Alimentos e Remédios (FDA) dos Estados Unidos, órgão responsável pela regulação do setor.

Usado para realçar o sabor, proporcionar mais textura e facilitar a mistura de receitas, este tipo de ingrediente está com os dias contados no mercado americano. Lançado no ano passado, o programa da FDA prevê que os fabricantes busquem alternativas mais saudáveis e que não afetem a saúde do consumidores de forma tão agressiva.

A utilização de gordura trans nos alimentos têm afetado a qualidade de vida e gerado inúmeras doenças debilitantes na população americana.

Publicidade
Publicidade

Como consequência, o sistema de saúde público tem elevado gastos com tratamentos e exames.

Para o FDA o uso indiscriminado da gordura vegetal enriquecida com hidrogênio é uma ameaça a saúde pública. Por outro lado, os fabricantes defendem o uso moderado do produto com uma redução gradual em centenas de alimentos sob a alegação que a gordura não seja tão prejudicial a saúde como divulgado.

Segundo um vídeo publicado pela CBS News, especialistas defendem que a gordura trans é prejudicial para consumo e que seus efeitos podem ser graves contribuindo para doenças como o Alzheimer, ataques cardíacos e derrames. O autor premiado pelo Putzier, Michael Moss, lançou o livro Salt Sugar Fat onde diz que "as gorduras trans são realmente como o plástico e quando nós os comemos eles incorporam em nossas células e as células não podem se comunicar ou falar uma com a outra."

DIETA DO PALHAÇO - Em 2004 o cineasta independente Morgan Spurlock lançou um documentário chamado Super Size Me: a Dieta do Palhaço onde ele próprio se propôs a se alimentar todos os dias somente com lanches fast food para mostrar os efeitos deste tipo de alimentação sobre a saúde e corpo das pessoas.

Publicidade

 Durante 30 dias, ele engordou mais de 11 quilos e teve problemas psicológicos de humor, irritabilidade e problemas de disfunção sexual e danos ao fígado. Para voltar ao estado normal de sua saúde, ele precisou de 14 meses de exercícios e dieta. O cineasta teceu uma crítica aos fabricantes de produtos ricos em gorduras e baixo teor alimentar saudável.

SÃO PAULO - Dois projetos de lei tramitam na Assembleia Legislativa do Estado e tratam sobre o tema. Um de autoria do deputado estadual Padre Afonso Lobato pede que a venda da gordura hidrogenada ou "gordura trans" seja proibida no estado, além de proibir também a comercialização de alimentos que possuam este produto em sua composição. Segundo o parlamentar, a justificativa por tal lei traz enormes malefícios à saúde como problemas cardíacos, doenças degenerativas, obesidade, diabetes e outros danos à saúde são comprovadamente associados a essa gordura, que não existe na natureza e é produzida por um processo industrial.

O outro projeto de lei em discussão impõe que estes tipos de produtos devem ser banidos das escolas estaduais.

Publicidade

Tramitando desde 2015, o deputado estadual André do Prado diz em defesa do projeto que "nosso objetivo é que as futuras gerações tenham menos complicações de saúde, devido ao consumo exagerado de alimentos com esta substância. Esta iniciativa vai ao encontro do que preconiza a Organização Mundial da Saúde, que é diminuir a ingestão de alimentos que contenham altos índices de gordura, que podem afetar a saúde das crianças."

#Medicina #EUA #Alimentação Saudável