Com o aumento de crianças nascidas com microcefalia, tendo como suspeita o #Zika Vírus, o Papa Francisco consentiu, nesta quita-feira (18), que mulheres usassem anticoncepcionais. esclarecendo que existe uma diferença moral entre cometer um aborto e evitar uma gestação. Independentemente da #Igreja não aceitar nenhum tipo de método para se evitar uma gravidez, o Papa diz que "prevenir uma gravidez não é um mal incontestável".

A malformação no cérebro dos bebês (microcefalia) vem sendo relacionado com o fato da mulher ter contraído o zika vírus durante a gestação, segundo estudos. Não foi especificado por Francisco qual contraceptivo deveria ser usado.

Publicidade
Publicidade

Quando questionado sobre o aborto, o Papa Francisco, que estava dando uma entrevista no avião na sua volta para o Vaticano após uma visita ao México, respondeu que "o aborto não é um simples pecado, e sim, um crime. É um mal praticado contra si mesmo. É um mal contestável".

O aborto legal já foi defendido por uma parte da Organização das Nações Unidas (ONU), que é ligada aos direitos humanos, em consequência da epidemia do vírus zika na alta taxa de microcefalia. No caso do Brasil, o aborto só é admitido nos casos de estupros, quando há risco de vida para mulher ou quando o feto é anencéfalo. 

O caso se agravou mais por ter sido relatado nos Estados Unidos um caso de contágio do zika vírus através da relação sexual.

Foi pedido pelo Papa Francisco, para que não se confundisse o mal de prevenir uma gravidez com o mal de praticar um aborto.

Publicidade

E falou sobre um acontecimento no Papado de Paulo 6º (1963-1978), na época estava ocorrendo uma guerra no Congo belga, em 1960, foi quando Paulo 6º permitiu que freiras usassem anticonceptivos, pois corriam o risco de serem estupradas.

Prevenir uma gravidez não é um mal absoluto. Neste caso, do zika vírus, assim como foi na época do abençoado Paulo 6º, isto está claro, confirmou Francisco. 

A Organização Mundial de Saúde (OMS) já tinha declarado em fevereiro, urgência internacional na saúde pública com o aumento de casos de microcefalia e doenças neurológicas, com a suspeita da relação do zika nessas doenças.

A OMS fala que essa epidemia é muito mais preocupante nas Américas, pois já são 28 países infectados, juntamente com territórios dessas regiões. São 508 casos de microcefalia confirmados no Brasil desde outubro, de acordo com o governo, e 3.935 casos em investigação.

O Papa Francisco apelou para que os médicos fizessem de tudo para encontrar uma vacina para essas doenças.